28.5.10

Família Prata

Tinha prometido a mim mesma que não escreveria mais sobre palestras que eu assisti (motivos óbvios), mas esse caso é especial. Merecia mais que um post, mas como só tenho blog, vai aqui mesmo. 

Li muita Capricho durante minha adolescência e sou da época do projeto gráfico antigo, que era menos "fofo" e bem colorido. Lembro que as páginas eram uma de cada cor, bem legal. Sou da época que a Liliane Prata escrevia a coluna "Papo de amiga", mas não sou daquelas que começavam a ler a revista pela última folha. Eu dava uma espiada na coluna do Antonio Prata e ficava guardando o melhor pro final, depois de realmente ler todas as matérias.

Recortei todas as colunas do Antonio das Caprichos que comprei. Estão todas coladas num caderno que tive que deixar em São Luís. Fiquei muito triste com aquela despedida que ele escreveu e acho que foi a última vez que comprei a revista (já estava bem grandinha, afinal, e a linha editorial não me interessava mais). Continuei acompanhando as crônicas do Antonio pelo blog, mas nunca comprei livro dele. Sabe quando falta aquela oportunidade? Mas, enfim, já prometi que não compro mais livro nenhum até comprar o "Adulterado".


Na quinta da semana passada, estava tranquila na faculdade quando me avisam que Mário Prata estaria no Iguatemi lançando um livro às 19 horas daquele dia. Tive que ir. Eu sempre neguei que o Mário fosse pai do Antonio. Sei lá por que, mas minha mente bloqueava essa informação. Achava que era mentira quando alguém dizia isso. O próprio Antonio falou bastante do pai nos últimos meses no blog dele e eu simplesmente ignorava. Tive que absorver aquela informação no dia, procurando no google e ouvindo do Mário "meu filho Antonio...".

A conversa com o Mário foi muito muito boa, ele é muito simpático e engraçado. Legal foi que eu pude notar alguma semelhança no humor que ele faz com o do próprio filho. Ah, fiquei maravilhada! Acabei comprando "Os viúvos", fiquei na fila e consegui minha dedicatória. Contei a ele que me recusava a acreditar sobre ele ser pai do querido Antonio e ganhei uma dedicatória muito muito muito linda: "Para Luisa com S, sem acento e com afeto. Do pai do Antonio. Beijo, Mário Prata". Pena que só vou ter tempo pra ler esse livro nas férias, quando não vou ter mais a faculdade pra me consumir. Agora: Antonio Prata, quando você vem visitar seu pai (sim, o Mário mora em Floripa) e fazer um lançamento aqui? Sério, preciso te conhecer!

13 comentários:

Gabi Petrucci disse...

Ai que sonho! *-*
Muita inveja branca!
HASUIDHUIASDIA
Sempre bom conhecer alguém que admiramos, né?
Lindíssima a dedicatória!

Beijo

Ana Lu disse...

Ahh que legal Luísa! E amei a dedicatória!
Acho tudo pessoas que realmente se importam com quem o admiram.
Beijos!

Alice Voll disse...

Rá, tb sou dessa época da Capricho, amaaaaaaaaaaava, passei mais de dez anos lendo, mas cresci, tentei Gloss e não gostei, agora sou da Nova!
Adorava a coluna dos Prata's tb, e sou do tempo que tinha coluna do Mion, antigayra mesmo!
Eu assisti a entrevista do Mario há umas semanas no Jô, ele falou desse livro, é o que é inspirado no cano que ele tomou do contador, ne?

Camila disse...

Poow, que dedicatória legal *-*
Carismático o cara. (nem sabia quem era ele acredita) hahaha

Ah, você falou em faculdade aí
neeem me lembre, o meu tempo não
existe mais por causa dela --'

Gostei do Blog x)

Mel disse...

Que delícia e que inveja!!!!!!
Achei lindíssima, a dedicatória!!!
beijos!!!
Mel

Larissa L. disse...

aah que legal!!
eu tb era viciada noq o Antonio escrevia na Capricho...!
vai ter uma palestra do Mário aqui também, na Feira do Livro, mas como os horários são nos da aula, ainda não sei...!!
adorei a dedicatória...!

um beijo!

Sofia A. disse...

Engraçado que só descobri o Antonio Prata muito tempo depois, nunca li a Capricho, e foi mais por comentários de amigas, e foi o suficiente para me apaixonar.
Sobre o pai não conheço nada, mas só pelo filho, deve ser um cara interessante.
Um beijo!

Anônimo disse...

gostava mais do andmakemesmile antes :/

marcela disse...

Deve ter sido a mesma sensção que eu tive quando tirei uma foto com o Michael McCarthy (autor de um livro de inglês fantástico). Só não tive o autógrafo mas a foto tá guardada até hj.
saudade daki!
bjo!

Tary disse...

Que gostoso isso, Luh! Deve ter sido maravilhoso (: Espero que o Antonio vá visitar mesmo o pai, hehehehe.
Lindíssima a dedicatória, adorei.
Beijos!

Min disse...

Ver cara a cara alguém que admiramos é sempre emocionante. Ah, pena que a maioria dos meus autores favoritos não estão mais entre nós em carne e osso hoje em dia.
Adorei a dedicatória, muito linda! *_*
Besos.

Rodrigo disse...

ei, será que tem video no youtube dessa palestra?
fiquei interessadíssimo. !
beijão!

Kérol disse...

cara.. que dedicatória lindaaaa! :)
adoro o Antonio tbm, e achava que ele não era filho do Mário mesmo... ;p

beijo