31.12.08

Balanço das metas para 2008

1. Voltar a malhar (numa academia de verdade, tudo bem?)
Eu até pensei em entrar para uma academia. Mas qual? Que horas? Realmente não tive tempo esse ano. Não cumpri.

2. Entrar para um curso de redação.
Passei o primeiro semestre enchendo o saco de mamãe e entrei pro curso em agosto! A minha professora era uma figura e me deu todas as dicas que eu precisava. Reclamou das minhas conclusões e de alguns títulos e na redação do vestibular eu tirei 7!

3. Não desviar do meu foco que é passar na UFSC.
Considerando que eu PASSEI, acho que cumpri essa meta. O resultado saiu ontem à tarde e eu vi meu nome na lista dos aprovados para o primeiro semestre! Vocês que acompanharam o meu sofrimento e uns vinte posts sobre o vestibular bem sabem o quanto eu lutei para conseguir isso. Posso ter me distraído um pouco em novembro, mas deu tudo certo. Ainda bem! Quem quiser ver meu nome na lista, clica aqui!

4. Achar um curso para fazer aqui no MA caso eu não passe na UFSC.
Quando escrevi essa meta, pensei que eu escolheria um curso diferente tipo Engenharia de Produção ou Psicologia, mas percebi que eu ia querer fazer jornalismo até aqui no Maranhão!

5. Não ficar louca de tanto estudar e sair mais, beeeeem mais.
Alguns discordam, mas eu tenho certeza de que eu fiquei louca. Também posso contar nas mãos as vezes que saí de casa esse ano.

6. Me dedicar mais ao inglês.
Errr, não deu. No começo do ano, comprei um caderno dos ursinhos carinhosos (sério!) e realmente fazia todos os exercícios e preparava as aulas. No fim, eu só entregava três atividades por unidade porque era o mínimo! Ao menos estou formada (não que isso signifique algo).

7. Se não conseguir fazer novos amigos, tentar manter os (poucos) que tenho.
Não fiz novos amigos. Tá, alguns... Mas os conheci em uma das aulas que freqüentava e não foi nada grande. Ao menos consegui manter os que eu já tinha!

8. Engordar alguns quilos.
Engordei exatamente dois quilos, mas ninguém percebeu! Toda vez que eu comentava sobre isso, alguém falava "É, Luisa, eu percebi que tua franja cresceu"!

9. Parar com a mania de ficar puxando cabelo (fico parecendo uma louca!)
Não só continuei com essa mania como estou fazendo isso agora...

10. Fazer o tratamento para melhorar minha postura e, assim, diminuir o meu problema de ter uma perna maior que a outra (por mais que a diferença ainda esteja aceitável). Mesmo que eu tenha que fazer o tal rpg que dizem doer pra caramba.
Não fiz, nem procurei me informar. Prontofalei.

p.s.: As metas em negrito são as que eu considero cumpridas. De 10, só alcancei 4 e meia, que vergonha! Amanhã posto as metas para 2009, aguardem!
p.p.s.: Meu sonho sempre foi escrever um post com dicas para vestibulandos. Agora que passei, me sinto no direito de fazer isso. Vai ser o último sobre vestibular, prometo!

27.12.08

Cãozinho de liqüidação

Para todo filho, a melhor mãe do mundo é a dele. Da mesma forma, quando escutamos que Marley é o pior cão do mundo, pensamos ser impossível que ele seja mais atentado que nosso bicho de estimação. Pensei isso antes de ler o livro (há mais de um ano) e antes mesmo de terminá-lo, eu já concordava. Marley é realmente o pior cão do mundo.

John Grogan é um jornalista, ou melhor, colunista, que resolveu dar à sua esposa um cachorro antes que ela tivesse a idéia de ter filhos. Escolheram o labrador mais barato da ninhada e aposto que o John não imaginou que economizar 75 dólares naquele momento não seria um negócio tão bom. Marley aprontou tudo o que podia e não podia. Destruiu móveis, atrapalhou Jenny, a esposa, enquanto ela cuidava dos três filhos e fazia um verdadeiro estrago nos dias de tempestade, pois ele tinha muito medo dos trovões. O livro mostra que não importa o quão sapeca um cachorro é, simplesmente não tem como não se apegar a ele. Outro ponto forte é que o autor soube levar bem a história, tudo nas medidas exatas. É leve, divertida e mais fácil ainda de agradar se o leitor já gostar de animais, o que não é raro.

O filme, com Owen Wilson como John Grogan e Jennifer Aniston como Jenny, acabou de estreiar nos cinemas e eu recomendo mesmo. O livro é bem melhor, claro, mas não tem como resistir a passar alguns minutos no cinema rindo e olhando aqueles olhos negros tão brilhantes dos labradores que participaram das filmagens!

25.12.08

Uma conclusão

Algumas de vocês acompanharam todo o meu drama quando mamãe teve que ir trabalhar na Jamaica e eu e minha irmã passamos a morar com meu padrasto no apartamento dele. Acontece que ele já deveria estar na Espanha (continuando o doutorado dele) desde agosto, mas teve que segurar a volta até janeiro por causa da alta do dólar (!). Mamãe veio para cá de recesso pouco depois que eu voltei de Floripa e me trouxe a notícia que minha irmã vai passar três semanas de janeiro com ela em Kingston. Meu padrasto na Espanha. Minha mãe e irmã na Jamaica. Meu pai morando no interior. Queah!? Vou ficar sozinha!!! Não é o tipo de situação que eu possa contornar indo passar esse tempo em Kingston também por dois motivos: 1) Ainda não tirei meu passaporte. 2) Tenho que fazer o vestibular da UFMA!

Sabe, o grande problema não é exatamente ficar sozinha, mas.... Ficar sozinha sem carro! Quer dizer, o carro vai estar aqui, mas eu tenho 17 anos! O meu bairro é bem ruinzinho de pegar ônibus, bem ruinzinho mesmo. Imaginem quando eu tiver que fazer as compras no supermercado! Até pensei em chamar papai para morar comigo (!!!), mas ele não poderia largar o emprego dele no interior por um mero capricho de sua filha mais nova. Estou realmente chocada porque parei para pensar nisso ontem (quase não consegui dormir), mas depois desse choque acho que eu vou me sair bem. Tenho que me sair bem. Não quero fazer faculdade em Santa Catarina? Acho bom eu aprender a cozinhar logo.

21.12.08

As delícias da fofoca

A filha do meu padrasto está passando férias aqui e deixou o primeiro livro de Gossip Girl (Cecily von Ziegesar) jogado pela sala. Bem, eu estou de "férias". O livro que deu origem a uma das séries mais comentadas do momento ficou me olhando, resolvi lê-lo.

Não vou mentir. As 32 primeiras páginas não me prenderam. Passei alguns dias sem ler, pensei em desistir. Mas como eu não tinha o que perder caso terminasse o livro, resolvi encarar. Ele gira em torno do site que uma garota, a gossip girl, criou para divulgar todas as fofocas sobre determinados jovens ricos de Nova York. A parte mais chata e enfadonha do livro são as páginas que imital o tal site e que estão distribuídas pelos capítulos. No resto, é como se uma amiga sua estivesse contando as últimas novidades. A história não é lá muito inovadora: bulimia, drogas, garotas que podem comprar os vestidos que quiserem, bebida, pais se separando, etc, etc. Na verdade, os pais desses jovens dão a liberdade que eles tanto querem. Igualzinho a nossa vidinha aqui, hein?!

No fim, eu acabei gostando de ler sobre a Serena e o Dan, mas esse não é exatamente o livro que eu recomendo. A coleção já tem onze livros lançados. Ler onze livros sobre fofoquinhas feitas por uma garota louca para fazer o que Serena/Blair/Chuck/Nate estão fazendo? Sinceramente... Fiquei com muita vontade de assistir à série (que parece ser bem melhor). Para vocês que estão cansadas de Machado de Assis, não leiam Gossip Girl, mas Meg Cabot. Eu prefiro.

17.12.08

Seis coisas aleatórias

Regrinhas:
1 - Linkar a pessoa que te indicou.
2 - Escrever as regras do meme em seu blog.
3 - Contar 6 coisas aleatórias sobre você.
4 - Indique mais 6 pessoas e coloque os links no final do post.
5 - Deixar a pessoa saber que você a indicou, deixando um comentário para ela.
6 - Deixar os indicados saberem quando você publicar seu post.

Quem me mandou o meme foi a Marcela e como eu passei hoje o dia entre aeroportos e aviões, vou fazer baseado nas minhas aventuras.

1 - Eu sempre me atraso.
Não adianta programar o despertador uma hora antes que ou eu não acordo com ele ou acabo me atrasando de qualquer jeito. Hoje eu pretendia acordar bem mais cedo que a amiga de mamãe (que também veio para São Luís hoje, mas em vôos diferentes) para arrumar meu cabelo. Quem disse? Tive que arrumá-lo de qualquer jeito, me maquiar no carro e tomar café no aeroporto de Florianópolis.

2 - Nunca fui a São Paulo.
Tá, eu já fui. Mas eu tinha um ano. Não lembrar é igual a não conhecer. Não gosto de natureza, gosto de vários prédios juntinhos e aquele clima de lugar desenvolvido. Sei que vou parecer Sheep na Cidade Grande quando for lá, mas morro de vontade! O mais perto que cheguei disso foi hoje quando passei pouco mais de uma hora no aeroporto de Guarulhos.

3 - Senti falta do Nordeste.
Quando eu desci do avião em Recife e senti aquele sol forte (mesmo não estando diretamente exposta a ele), não pude deixar de ficar felizinha. Sem contar que no aeroporto todo tocava um forrózinho pé-de-serra que, por mais que não tenha muito a cara do Maranhão, eu gosto um tanto.

4 - Tenho medo de escada rolante.
Durante algum tempo, eu não andava nelas de jeito algum. Isso nem me afetava muito porque aqui em São Luís não têm muitas. Hoje até ando, mas ainda morro de medo. Principalmente nas que descem! No aeroporto de Recife, elas atravessam aquele vão do meio. Nem precisa dizer que desci de escada normal, né?

5 - Sempre ando com livros, por mais que saiba que não vou lê-los.
Viajei com O Triste Fim de Policarpo Quaresma (Lima Barreto) e Memórias Póstumas de Brás Cubas (Machado de Assis). Acabei comprando o Diário Catarinense e a Folha de São Paulo e tive que me contorcer naquele avião apertadinho para conseguir abrir os jornais.

6 - Realmente odeio que me cutuquem e/ou toquem sem motivos convincentes.
De Fortaleza para cá, veio uma doida sentada ao meu lado! É sério! Ela passou o vôo inteiro (cerca de uma hora) repetindo os mesmos movimentos. Ajeitava-se na cadeira, levantava os braços (invadindo o espaço das outras poltronas - ela tava no meio) e coçava a cabeça por um tempão. Fiquei toda espremidinha perto da janela para evitar que o cotovelo dela batesse em mim de novo. Detalhe que ela tomou uns quatro comprimidos da mesma cartela antes mesmo da decolagem e tenho certeza de que ela ligou o celular no meio da viagem!!!

Passo o meme para: Nanda, Jana, Gabi, Nath, Kah e Mih.

13.12.08

Primeiro amor

Não tive um amor de infância. Na verdade, eu era a menor das crianças da minha rua e nem brincava direito com elas, ficava só olhando. Se todos era bem mais velhos do que eu, como poderia arranjar uma paixonite?
Hoje, na hora do almoço, a filha de Lenilda, 4 anos e meio, estava brincando com o vizinho. Loirinho, olhos azuis, nariz um pouco grande, mas sem quebrar a proporção do rosto. Ela, Júlia. Ele, Arthur. Lenilda, com todo um jeitinho de mãe coruja e ciumenta, contou que a filha havia lhe pedido que falasse com a mãe dele para acertar o casamento! E que tinha comprado um sapato rosa com brilhos "de princesa" e queria muito mostrá-lo para ele.
Apaixonada toda, pude imaginá-los crescendo juntos e sendo primeiros namorados. Talvez tendo uma briga meio feia que essas discussões sempre são um ótimo tempero para histórias de amor. Imaginei também o casamento. Como formam um casal bonito! Ele eu já descrevi. Ela tem os cabelos castanhos, daqueles bem clarinhos. Olhos verdes discretos herdados do pai angolano. Pele bem branca e franjinha.
E vocês? Tiveram seus amores de infância?!
p.s.: Foto do filme Meu Primeiro Amor, que todas nós vimos mais de dez vezes na Sessão da Tarde!

12.12.08

Fiquei boba


Sou do tipo que recusa convites. Vamos ao supermercado? Errr, não agora. Antes eu tinha meus motivos. Todo minuto em casa era precioso para estudar. Hoje não tenho mais desculpas. Lenilda, amiga de mamãe que me recebeu em Florianópolis, perguntou se eu não estava com vontade de conhecer a praia que tem aqui em frente. Ela tinha acabado de pegar as filhas na escola e disse que o anoitecer estava lindo. Bem, o que tinha eu a perder? Tomei um banho rápido, coloquei a tiara no cabelo, a câmera no bolso e fui. É pertinho, nem cinco minutos de caminhada.

Passei por umas dunas, achei o mar. Azul que nem o céu. Tudo tão azul que até o relevo lá longe ficava dessa cor. Senti o vento frio nos braços. As ondas eram fortes. O mar daqui realmente é bravo. A vontade que eu tinha era de sentar na areia, olhar a água indo-e-vindo naquele código que Lindolf Bell tentou reproduzir em suas poesias. A praia era praticamente deserta. Algumas pessoas caminhando bem longe. O lugar era lindo, não havia dúvidas. Mas faltava algo... Não demorei a identificar. Tu não estavas ali comigo. Não fora dos meus pensamentos.

Do que adianta ter o cenário mais bonito sem te ter ao meu lado? A saudade dói, não sou a primeira pessoa a constatar isso, eu sei. Mas é a primeira vez que encaro uma situação dessas. Faz exatamente uma semana que demos nosso último beijo, nosso último abraço, que tu me chamaste de boba pessoalmente e que conversamos lado a lado. Ainda temos mais cinco dias distantes um do outro. 3 448 quilômetros para ser mais exata. Tu me deixas boba. Uma vestibulanda apaixonada e boba.

9.12.08

A-C-A-B-O-U!

Ainda me lembro do dia que eu cheguei para mamãe e disse que não ia mais fazer jornalismo em Curitiba, mas em Florianópolis. Não me pergunte porque eu queria ir para o Paraná. No dia seguinte, ela chegou do trabalho com bilhões de folhas sobre o vestibular da UFSC. Terminei o primeiro ano, estudei um pouco mais no segundo e cheguei no terceiro... Foi quando eu parei de viver, né, vocês bem sabem. Minha vida se resumia à escola, aulas extras de física, química, matemática e redação e o curso de inglês.

Hoje as provas foram mais tranqüilas. Eu sabia muitos assuntos de física (também, né, foi uma das matérias que eu mais estudei esse ano). Ainda bem que a parte de óptica que caiu, eu sabia (refração). O ruim foi que eu não cheguei a estudar o assunto de uma questão. Meu professor de física da escola foi todo lerdo e não terminou o conteúdo. Também não tive tempo de tentar aprender sozinha e caiu justo isso. Quando chegar em São Luís, vou dar uns puxões de orelha no professor. A de história tava mais fácil do que eu esperava. Revisei bastante assunto que caiu. Santo Guia do Vestibulando História! Também gostei da prova de química. Tinha uma questão lá louca de reações orgânicas, mas no resto eu acho que fui bem. Gostei mais ou menos da questão aberta. O assunto dela (pilhas) eu ia dar numa aula do curso antes de vir pra cá, mas eu resolvi faltar. Não é lindo? Mas deu para me virar. A parte que eu errei era a de física mesmo e nem foi tão grave.

Não caiu a ficha de que meu vestibular querido passou. Não sei o que vou fazer da vida, sério. Ainda tenho que fazer a segunda etapa da UEMA e toda a UFMA, mas a MINHA prova já foi. Mas tenho que arranjar o que fazer nessa cidade porque ainda tenho uma semana aqui!

8.12.08

2/3

Hoje eu me atrasei antes de sair de casa e fiquei com medo de não dar tempo de chegar na UFSC antes das 14:45. Cheguei 4 minutos antes desse horário (!) e ainda tinha que ir ao banheiro. Bem, deu tudo certo. Mas tive que ficar ali para assinar como testemunha de que o portão foi fechado e blábláblá. Acabei presenciando a chegada 3 segundos atrasada de uma menina que não pôde fazer a prova! Se fosse eu, choraria demais até morrer. Ela só pareceu um pouco desapontada.

A prova de biologia tava me assustando um pouco. Tive muita sorte, caiu muito assunto que eu lembrava. A segunda questão inteira era sobre eritroblastose fetal, a minha doença!!! Eu disse que ia cair no meu vestibular, mas ninguém me escutou... A de geografia tava como toda prova de geografia: sem sal. Não caiu muita questão sobre Santa Catarina, o que é bom para mim. Já a de matemática... estava fácil como eu achava que estaria, mas era muito trabalhosa. Na verdade, demorei muito nela. Quando o fiscal bonitão-queimado-de-sol-com-cara-de-surfista falou que só faltava 1 hora de prova, eu ainda tinha duas questões de matemática para fazer, toda a questão discursiva e tinha que revisar as de geografia e biologia, além de passar tudo para o gabarito!!! Fiquei muito nervosa porque sempre terminei prova cedo e ficava de bobeira esperando o tempo passar. Mas no fim deu tudo certo e eu saí da sala faltando 15 minutos para as 19!

p.s.: Meu blog se transformou num verdadeiro diário sobre vestibular!

7.12.08

Primeiro dia

Apesar de ter ido ontem à UFSC, demorei um pouco para achar o lugar onde faço as provas. As salas são tão... confortáveis! As da UFMA nem se comparam, claro. Em geral, todo o vestibular é mais organizado que os do Maranhão, mas tudo bem.

Eu tava com bastante medo da redação. De ler os temas, não ficar inspirada, não conseguir produzir, ter um bloqueio... ! Mas ainda bem que isso não aconteceu. As aulas de redação que freqüentei esse semestre me ajudaram nesse aspecto, me deixaram mais segura para iniciar meu texto. O tema que eu escolhi era relacionado à leitura, escrita e palavra. Bem a minha cara, né? O problema foi que eu errei o nome de Paulo Freire, o educador. Fiquei em dúvida se era Gilberto ou Roberto e acabei escolhendo a primeira. O curioso é esses Gilberto e Roberto Freire também existem!

A prova de inglês tava bem facinha. Poucos textos (dois!) e todas as questões giravam em torno de intercâmbio. Também gostei da de português. Lembrava do conto de Machado de Assis que caiu (Aurora sem dia). A questão discursiva também me assustava, mas acabei gostando. Perguntava sobre a atividade cafeeira lá do início da república e a produção de soja. Bem, sobre a produção de soja eu sei bastante, né? Ela vem se expandindo no sul do Maranhão e os professores vivem falando nisso.

p.s.: Fiz prova numa sala cheia de concorrentes! Mas até que não foi tão mal...
p.p.s.: Resta a dúvida - Aqui o povo se arruma demais para fazer vestibular ou os maranhenses que se arrumam de menos?!

6.12.08

Picolé nordestino

Ou eu sou uma pessoa muito tranqüila ou não caiu a ficha de que estou em Florianópolis!

Saí de São Luís às 5 da manhã. Dormi até a escala em Imperatriz. Lá, embarcou um homem que sentou ao meu lado e que parecia o Evaristo Costa de perfil! Fiquei louca pela vista de Brasília lá do alto. Tantos prédios! Fiz ainda escala em Campinas e cheguei aqui 13:30 da tarde (agora estou no horário de verão). Logo que desci do avião (naquelas escadinhas que tremem mais que tudo e me apavoram por causa do meu medo de altura), senti um vento frio. Um vento frio típico de ar-condicionado, mas era mais sutil. "Realmente quero morar aqui", pensei. Para completar minha felicidade, minha mala foi uma das primeiras a aparecer.

O que me assustou foi que as avenidas daqui que são muito estreitas. Só tem espaço para um carro em cada sentido. E eu reclamava de São Luís que tem dois! Também não vi semáforos. Como um amigo meu comentou, São Luís tem uns bem inúteis que poderiam vir para cá numa boa.

O apartamento da amiga de mamãe é um amor. Daqui dá para ver o mar! As filhas, Júlia e Luisa (!), são lindinhas demais. Todas com rostinho de menina no sul, sendo que a mãe é maranhense e o pai angolano. Ah, estou adorando o frio. Meu cabelo está até mais bonito. Mas, ao mesmo tempo, tenho sofrido um pouquinho. Para quem mora a dois graus da Linha do Equador é meio complicado vir pro Sul, né. Daqui a pouco viro um picolé nordestino.

p.s.: Aqui o sol se põe muito tarde! Acordei 19 horas achando que eram 17 e levei um susto quando olhei o relógio. Lá em São Luís, mal chega perto das seis e fica tudo escuro de repente!

5.12.08

São Luís - Brasília - Florianópolis

E não é que chegou? Sonho desde o primeiro ano com o dia que eu viajaria para Florianópolis para fazer o meu tão esperado vestibular. Passei o dia escutando "Boa viagem, tudo vai dar certo!". Primeiro na escola, depois no inglês, no msn e, por fim, aqui em casa.

Tava me arrumando. Dei uma pequena pausa para vim postar. Ainda tenho que arrumar meu cabelo, sabe como é! Já até derramei água na blusa que eu vou usar, mas ela já tá ali secando. Minha mala está quase completa. Já achei o cadeado, já coloquei uma fitinha branca para identificar... Só falta colocar minha havaiana roxa (que estou usando) e o meu diário (quase que eu esqueço porque faz tanto tempo que eu nem toco nele!). Espero não estar esquecendo nada de importante. Tô levando livrinhos para ler depois do vestibular, mil fotos 5x7 caso eu perca alguma, já imprimi minha confirmação de inscrição, etc, etc.

Meu pai veio do interior só para me levar ao aeroporto. Daqui a uma hora mais ou menos, ele deve estar chegando aqui para irmos. Agora estou eu escutando James Blunt porque minha irmã quis dormir escutando esse CD. Não se preocupem sobre uma possível ausência minha aquino blog. Lá em Floripa, vou ficar na casa de uma amiga de mamãe (da época de faculdade!) e ela disse que o quarto que eu vou ficar é o que tem o computador! Huuum... :]]

3.12.08

4 dias...

Quem me acompanha há algum tempo, sabe que eu já fiz três vestibulares. Um da UFMA e dois da UEMA (mas a segunda etapa do último é só dia 21). Sempre fiquei muito tranqüila no dia e na semana antes. Mas o problema é que isso não está acontecendo agora. Acho que é porque nenhum desses era o meu vestibular para valer. Já faz algum tempo que eu não consigo me concentrar como deveria. Não consegui estudar muito esses últimos dias e, a cada dia que passa, vou ficando mais e mais ansiosa.

Por mais que eu sinta que no fim vai dar tudo certo, não consigo me acalmar. Não pensei que eu fosse ficar assim tão nervosa. A minha esperança é deixar toda minha ansiedade aqui no Maranhão e, assim que eu pisar em solo catarinense, seja uma Luisa bem mais tranqüila. Não tô com vontade de ir a nenhuma aula também. Ontem tive aula de matemática e conseguir revisar bastante coisa, mas... Não senti vontade de ir à aula de química de hoje de manhã. Faltei. Não sinto vontade também de ir à aula de redação que vai ser hoje. Vou acabar faltando também.

Amanhã começam as aulas de revisão da minha escola para o vestibular da UFMA (4 de janeiro) e vou assistir os dois horários de história só para que me desejem boa sorte e por causa da matéria também. Agora se o professor continuar revisando História do Maranhão... !

28.11.08

Fim

Desde o começo do ano, eu sonho com o último dia de aula da escola. Nunca foi segredo que eu não gosto do meu colégio, nem dos métodos de ensino, nem dos professores. Não via a hora de me livrar de tudo isso. Chegou o fim do ano. Não fizemos festa. Não viajamos (nem para Barreirinhas!). Provavelmente, não teremos nem aula da saudade.

Hoje foi o último dia de aula. Mas não parecia. Quase não tivemos aulas, quase ninguém foi. Os poucos que foram não ficaram até o final. Só um garoto ofereceu a camisa para assinarem. Nem assinei, fui deixando para depois... para depois... para depois...

Passei o recreio com minhas amigas. Nessa semana, estava passando com outra pessoa. Uma das meninas nem foi à aula. Jogamos uno. Ganhei duas de quatro partidas.

Durante os horários, fiquei conversando com minha companhia dos outros recreios da semana. A última vez que eu perdia, com gosto, uma manhã de estudo para ficar com ele. "Tu tá calada", ele não parava de dizer. Eu sabia que estava calada, mas não conseguia dizer nada. Sentia como se eu estivesse anestesiada. As horas corriam sem que eu percebesse. A manhã acontecia sem que eu me manifestasse.

Sem fotos, sem choro, sem muitos abraços. Ouvi a buzina do carro da minha irmã e dei a última carona até a avenida para uma amiga.


25.11.08

Mas eu volto!

"Menor do que meu sonho não posso ser", já dizia Lindolf Bell.

Inspirada por essa frase, resolvi deixar o andmakemesmile de lado por 15 dias. Dia 5 de dezembro, viajo para Florianópolis. As provas serão nos dias 7, 8 e 9. Falando as datas, parece longe, mas já é no domingo que que vem! Sei que pelo menos sei o básico, mas preciso revisar muitos assuntos! Nesse vestibular da UEMA que eu fiz, acertei 49 questões de 72. Mas minha meta era 50! Pode parecer besteira, mas 50 parece muito mais que 49. Enfim, preciso parar com a minha mania de chegar da escola e correr para o computador (coisa que acabei de fazer). Não postarei até toda essa fase crítica passar e vou tentar me manter longe do twitter, o que eu acho beem difícil.

p.s.: Fiz mesmo 50! Ainda bem que me fizeram contar de novo as questões. Mas agora não conto de novo! haha.

23.11.08

UEMA

O PAES 2009 foi o terceiro vestibular que fiz na vida, mas o primeiro desses de fim de ano que são pra valer. Foi a primeira vez que mamãe não me levou ao local de prova (ela voltou para a Jamaica ontem!).

Não levei bolsa para evitar levar objetos desnecessários e quando a fiscal da minha sala conferia a minha identidade, percebi que estava sem meu estojo! Tinha esquecido no carro! Liguei desesperada para papai e ele disse que voltaria lá (faltavam uns 7 minutos para fecharem os portões). Ainda bem que deu tempo, não teria feito as questões direito sem a minha grafite da sorte...

Passado o susto, sentei no meu lugar, tratei de me acalmar e logo depois veio a prova. A primeira matéria era biologia e essas oito questões foram as mais difíceis que fiz na vida. A mais fácil foi a de matemática (!) que eu fiz de uma vez e que tinha umas questões bem ridículas. No geral, acho que fui bem. Só espero não zerar filosofia ou sociologia já que eu raramente estudo essas matérias por elas não caírem na UFSC.

Sabe, sempre fui rápida na hora de fazer simulados. Por isso, fico lerdando nas primeiras-etapas de vestibular para ficar em sala até as 18 horas, quando pode sair com o caderno de prova. Achei meu ritmo devagar, mas acabei de marcar o gabarito às 16:30. Resultado: cochilei, rabisquei, pensei na vida... e escrevi esse post. Tudo para poder conferir o gabarito, que ainda nem foi divulado.

p.s.: 2 semanas para a UFSC!
p.p.s.: Layout novo no clima da última semana de aula na escola, gostaram?

17.11.08

Meme "Me lembra..."

1. Irena me lembra... desenhos! Ela saber desenhar super bem e eu, pobre mortal que mal sei desenhar bonecos de palitinho, fico toda impressionada!

Ela também me lembra: A minisérie global Amazônia, tiaras e faculdade de cinema!

2. Jana me lembra... física! Ela está prestando vestibular para Engenharia Elétrica e essa é uma das matérias que ela mais gosta, eu acho. Além disso, ela já teve vontade de fazer faculdade de Física!

Ela também me lembra: desenhos, ITA e gatos!

3. Gabi me lembra... franjinhas! Desde que a conheci no ano passado, ela tem franja. Não sei se é porque esse já foi assunto em algumas conversas nossas pelo msn, mas toda vez que vejo alguém de franja, lembro dela!

Ela também me lembra: Minhas férias em Maceió, Jason Mraz e Medicina!

4. Anna me lembra... festa de 15 anos! Ela está passando pela fase que toda semana tem uma festa dessas para ir (exagerei, sim) e daqui a pouco ela sai dos 14! Se bem que nem vai ter festa, mas viagem... né?

Ela também me lembra: Mallu Magalhães (!), Sapatos/roupas/bolsas e os olhos de ressaca de Capitu (volta e meia ela os cita em seus posts!).

5. Lusinha, minha xará, me lembra... adultos! Eu, com meus 17 anos, sei que ainda tenho que crescer em muitos aspectos e ela tem uma voz (ops, escrita) que soa tão madura! Adoro ler os posts dela.

Ela também me lembra: academia, amor e que Luisas são sempre legais! haha.

6. A ooutra Gabi me lembra... professoras! Ela já escreveu num post que pretende seguir essa profissão, que é uma das mais bonitas! Gosto tanto que pretendo cursar Letras e Jornalismo.

Ela também me lembra: Amy Winehouse (adoro!), Nietzsche e literatura (por causa da descrição dela no blog).

7. Mih me lembra... Paramore! Ela passou um bom tempo usando um layout com essa banda e, mesmo assim, não senti vontade de escutar por não ir com a cara da vocalista. Quando escutei aquela musiquinha que nem lembro mais o nome, amei!
Ela também me lembra: Pushing Daisies, Crepúsculo e cabelos longos!

8. Luiza, minha ouutra xará, me lembra... o Canadá! Ela passou o primeiro semestre desse ano lá e eu acompanhava toda essa experiência através de seus posts!
Ela também me lembra: jornalismo, Capricho e paredes roxas!

9. Alice me lembra... Tim Maia! Quando ela terminou de ler a biografia desse cantor, escreveu um post que deixou todas as leitoras com vontade de ler. Inclusive eu! (Por não encontrar foto dela, coloquei essa que ela usa no twitter).
Ela também me lembra: música, layouts novos (ela muda todo mês!) e alegria.

10. Line me lembra... McFly! Esse é assunto constante dos posts dela! Além disso, eu passo horas no blog só ouvindo Little Joanna!

Ela também me lembra: Avril Lavigne (por causa daquele vídeo!), Johnny Depp e trabalhos de escola.


Agora o que a Carol (que obviamente me lembra Sandy & Junior e também o VMB) disse de mim:
"A Luh sempre me lembra vestibular! E o quanto era gostoso o tempo que eu vivia correndo pra lá-e-pra-cá com a escola/cursinho e acreditem se quiser, tinha mais tempo pros meus amigos & família.

Ela também me lembra:
- Literatura/Livros, Jornalismo, Evaristo Costa (a paixão dela!)."

15.11.08

A professora

Acontece que literatura tinha todo o potencial para se tornar minha matéria preferida, posto ocupado atualmente por história. Meus pais nunca me incentivaram a ler e não sei por qual razão adquiri o hábito da leitura. O problema é que eu tenho o mesmo professor de literatura desde o primeiro ano. Ele não chega nem perto de ser um bom professor. Sério. Alguém já leu aquelas reportagens sobre educação que falam de professores que pretendem doutrinar os alunos? Bem, ele é desse jeitinho. Além de ser contraditório e não ter bons argumentos.

O primeiro contato que tive com uma professora que ensinasse literatura de verdade foi na aula de análise de obras para o vestibular da UEMA (o de julho). Por apenas 20 reais (a concorrência cobra mais de 70!), passei uma das melhores tardes da minha vida (apesar da cadeira desconfortável) ouvindo sobre Machado de Assis (Quincas Borba), Guimarães Rosa (Sagarana) e Padre Antônio Vieira (Sermão de Santo Antônio aos Peixes). Ela demonstrava inteligência, fazia analogias interessantes e contava os livros como se fossem grandes fofocas. Era quase um trabalho teatral, como ela mesma disse.

O próximo vestibular da UEMA está chegando (faltam 8 dias!) e eu precisava assistir a uma aula sobre as obras. Dedico todo o meu "tempo livre" aos livros da UFSC, mas minha segunda etapa da UEMA vai ter português já que me inscrevi para Letras. Perdi uma aula, duas aulas da professora maravilhosa. Até a aula da concorrência caríssima eu perdi. Por sorte, a professora resolveu fazer mais uma análise ontem. Viriato Correia, Basílio da Gama, José de Alencar, Martins Pena e José Cabral de Melo Neto. Sinceramente? Senti vontade de ler todas as obras. Ah se eu tivesse o meu tão sonhado dia de 29 horas...

p.s.: A análise de obras para o vestibular da UFMA acontece ainda esse mês. Adivinha quem vai guardar sua vaga já no começo da semana que vem?
p.p.s.: Obrigada, professora, a ajudar a clarear as minhas idéias. Não é sempre que eu tenho certeza de que prefiro humanas a exatas.

12.11.08

Bloqueada.

Não sei o que está acontecendo comigo. Não sei se é a pressão pré-vestibular. Tudo bem, é claro que é a pressão pré-vestibular. O problema é que... eu não consigo estudar óptica. Sempre gostei muito de física, mas esse assunto simplesmente não desce.. ! O pior de tudo é que estudei isso ano passado e não lembro de odiar, nem de achar difícil. É nessa hora que você pensa que eu deveria deixar óptica de lado por uns tempos, mas não consigo deixar de lado algo que não aprendi. Não consigo me imaginar estudando qualquer matéria antes de terminar aqueles capítulos do livro de física. Se eu consegui passar a gostar de química, posso gostar de óptica, né? Ao menos ser indiferente que nem há um ano?

Minha cabeça está quase explodindo. Tenho a sensação de que meus dias são todos iguais. Todo dia eu estudo a mesma coisa, vou para o mesmo lugar (escola) com a mesma roupa (farda), faço a contagem regressiva para 7 de dezembro, etc, etc. Estou me sentindo tão irritada e estressada com essa situação... que não consigo parar de balançar as pernas! Sendo que, nos meus dias normais, luto contra a síndrome das pernas inquietas. Ficar se balançando só aumenta o estresse e a ansiedade. Algumas pessoas realmente param de se balançar quando eu peço, então as ajudo a combater esse péssimo hábito.

Sabe de uma coisa? Já estava planejando não assistir aos horários de amanhã e ficar na biblioteca estudando óptica. Mas acabei de lembrar que as aulas de quinta-feira são realmente importantes e não posso perdê-las. Então vou só fazer um lanche, volto para responder os comentários, arrumo meu cabelo e faço umas coisitas. Quando terminar tudo isso, tenho certeza de que a casa estará mais silenciosa e vou terminar aqueles exercícios de reflexão da luz e dar uma avançada legal em refração.

p.s.: O que me conforta em relação a isso tudo é a questão que caiu sobre óptica na primeira etapa do vestibular da UEMA desse ano. Era só para identificar um exemplo de refração.
p.p.s.: Mas acabei de lembrar que eu vou fazer UFSC, duh.

8.11.08

Agora vai!

Duas semanas depois, um post. Sabe, a culpa não foi minha. A internet só foi instalada aqui no apartamento essa semana e só hoje trouxeram meu computador para cá.

Muito aconteceu nesses 14 dias. João Castelo foi eleito prefeito de São Luís, Leonardo Quintão (o candidato mais bonito do Brasil) perdeu em BH e tudo mais. Na minha vida? Agora só faltam 29 dias para o vestibular da UFSC e eu tenho certeza de que preciso estudar tudo outra vez. Ainda tenho que terminar uma obra literária e reler pelo menos uma. Aconteceu a gincana da minha escola e a minha turma foi campeã outra vez, agora somos tetra. Esperei por quatro anos para chegar no terceiro ano e chorar no vídeo de despedida que sempre passa no dia da gincana. Enfim, não chorei. Mas ainda tenho a esperança de chorar no vídeo da aula da saudade. A pessoa que eu mais queria me procurou para dizer que vai sentir minha falta. Na comemoração da vitória, pulei na piscina do clube junto com toda a minha sala. Acho que foi a única coisa que fiz esse ano sem pensar. Foi a primeira vez que o povo me viu sem a franja feita.

Por mais que faltem 16 dias para o vestibular da UEMA, 29 pra UFSC e 50 e poucos pra UFMA, voltei para o blog. Juro que vou tentar falar de qualquer assunto que não seja o vestibular!

25.10.08

Só pra dar um oi

Acho que não sei mais como se posta num blog! Tudo bem, relevem esse meu pequeno exagero. Mas faz tanto tempo (13 dias!). Enfim, minha ausência é explicável. A internet ainda não foi instalada lá no apartamento e aproveitei para estudar que nem uma condenada (não).

Mamãe já está na Jamaica há uma semana. Ainda não me senti muito desgarrada porque meu padrasto ainda está aqui, mas ele deve viajar esses dias. Se bem que eu acho meio impossível eu conseguir sentir algo nessas próximas semanas porque faltam apenas 43 dias para o meu vestibular e eu acho que tenho que estudar tudo.

Sabe, nesses dias até aconteceram coisas interessantes que renderiam bons posts. Mas, sabe como é, depois que o acontecimento passa, perde a graça. Mas uma candidata a vice-prefeita daqui de São Luís (Helena Duailibe, da chapa de João Castelo) foi lá na minha escola! Tá que a minha pergunta foi a única não respondida, mas até que a conversa não foi tão ruim (por mais que ela só falasse sobre saúde). Detalhe que o vice de Flávio Dino foi no dia seguinte, mas eu resolvi faltar. Não é lindo?

Eenfim, eu só queria dar sinal de vida. Acho que no início dessa semana já vou ter internet no apartamento e vocês terão que o (des)prazer de me ver postando com mais freqüência.

12.10.08

Meme metido a diferente

(Peguei da Jana)
1) Are you currently in a serious relationship?
A paixão pelo Evaristo Costa conta?

2) What was your dream growing up?
Ser escritora.

3) What talent do you wish you had?
Saber desenhar.

4) If I bought you a drink what would it be?
Guaraná Jesus. Sabe como é, tenho que aproveitar enquanto ainda moro em São Luís...

5) Favorite vegetable?
Não, obrigada. Se bem que eu gosto de beterraba...

6) What was the last book you read?
O último que terminei foi O Vôo da Guará Vermelha (Maria Valéria Rezende). Tô quase terminando O Pagador de Promessas (Dias Gomes) e tô no começo de Homens e Algas (Othon D'Eça). Todos para o vestibular da UFSC.

7) What zodiac sign are you?
Leão.

8) Any Tattoos and/or Piercings? Explain where.
Não... nem tenho o segundo furo da orelha (por medo!).

9) Worst Habit?
Pensar passando o dedo no sinal do meu nariz, ficar puxando o cabelo enquanto estudo, perguntar "queah?" mesmo tendo escutado direito o que a pessoa disse...

10) If you saw me walking down the street would you offer me a ride?
Certamente! Adoro dar carona...

11) What is your favorite sport?
Vôlei e natação. Queria ter praticado (de verdade) quando era mais nova...

12) Do you have a Pessimistic or Optimistic attitude?
Otimista até demais.

13) What would you do if you were stuck in an elevator with me?
Primeiro eu diria que o incidente seria um ótimo assunto para post! haha. Depois a gente ia começar a conversar, eu ia contar toda a minha vida e vice-versa.

14) Worst thing to ever happen to you?
Não passar na UFSC, né?

15) Tell me one weird fact about you.
Já falei alguns no "worst habit"... Ah! Eu escrevo com a mão direita, mas corto e faço inúmeras coisas com a esquerda. Tudo indica que eu deveria ser canhota, mas me forçaram a ser direita na pré-escola...!

16) Do you have any pets?
Sim! Lucky, um poodle. Mas fala igual "Luke".

17) What if I showed up at your house unexpectedly?
Trocaria de roupa. Eu provavelmente estaria de pijama...

18) What was your first impression of me?
Uma nerd cheia de histórias legais para contar.

19) Do you think clowns are cute or scary?
Não tenho opinião formada sobre eles...

20) If you could change one thing about how you look, what would it be?
Meus braços. Seriam gordinhos! (Porque braços mais gordinhos disfarçam a magreza...)

21) Would you be my crime partner or my conscience?
Consciência, eu acho.

22) What color eyes do you have?
Castanho médio. Podiam ser verdes, mas mamãe foi egoísta.

23) Ever been arrested?
Nem pretendo!

24) Bottle or can soda?
Lata, porque são embalagens felizes (principalmente a da fanta laranja!).

25) If you won $10,000 today, what would you do with it?
Dar para mamãe comprar minha passagem para Florianópolis! E guardar o resto para gastar lá... Não, acho que não conseguiria guardar. Ia comprar muitos livros! E sapatos! E brincos!

26) What's your favorite place to hang out at?
Hang out? A dois meses do vestibular? Na maioria das vezes que saio de casa, penso que poderia estar estudando (principalmente quando vou à escola...).

27) Do you believe in ghosts?
Não.

28) Favorite thing to do in your spare time?
Ler as revistas atrasadas, jornais e os livros do vestibular!

29) Do you swear a lot?
Hamm, não?

30) Biggest pet peeve?
(pet peeve: motivo freqüente de reclamações ou discussões.)
Atraso do cara que me leva pra escola, a falta do que fazer lá, como meus professores são ruins, como meu colégio não presta, como o sistema educacional brasileiro não funciona... Ah, e o calor!

31) In one word, how would you describe yourself?
Vestibulanda.

32) Do you believe/appreciate romance?
Uhum...

33) Favourite and least favourite food?
Adoro laranha e não gosto de peixe.

34) Do you believe in God?
Errr...

35) Will you repost this so I can fill it out and do the same for you?
Não estou fazendo isso agora?

Amanhã à noite já vou dormir no apartamento. Por enquanto, não tenho internet (e nem telefone fixo) lá! Então não tenho previsão para aparecer aqui...

11.10.08

Intervalo da mudança

Assim como minha irmã, não sinto vontade de fazer nada até tudo isso ter acabado. Ou seja, até todas as minhas coisas estarem devidamente arrumadas no apartamento. Tanto que eu não fui à Feira do Livro de manhã e nem para a aula de inglês à tarde. Sobre a feira: estão acontecendo palestras, discussões, encontro com escritores, entre outros, desde o dia 9 e eu ainda não fui lá! No meu pensamento otimista, termino a mudança até amanhã e vou na feira à noite.

Nesse instante, mamãe, minha irmã e meu padrasto devem estar chegando no apartamento com as caixas que foram nessa primeira viagem. Por enquanto, só mandei meus livros (os de estudo). Mas deu um trabalho enorme arrumá-los porque eu tive que separar os papéis que eu vou levar, os que vão para o lixo e os que só vão ser jogados fora no futuro. Quem já fez ou faz terceiro ano sabe a quantidade de papel que nós, vestibulandos, acumulamos. Até ainda pouco, estava arrumando minhas roupas. O bom dessa mudança é que estou separando muita roupa para doar, muita.


A bagunça que me espera no quarto.
Sabe, não consigo me decidir sobre levar ou não meus diários antigos e caixas com cartas e besteiras de adolescente. Acho que não vou ter lugar para guardar esse tanto de coisa e nem vou precisar. Tá que essa casa vai receber corretores com possíveis compradores, mas acho meio improvável quererem ler meus diários ou roubá-los, enfim. Se fossem roubar algo, prefeririam meus livros de literatura, né? Na verdade, ainda não sei como conseguirei viver sem olhá-los todos os dias. Como eu e minha irmã seremos obrigadas a vir aqui toda semana para pegar o exemplar da Veja e ver se está tudo bem, acho que vou levar meus amados livros de pouquinho em pouquinho...

8.10.08

Smile, mon!

Há certo tempo, mamãe recebeu uma proposta para trabalhar na Jamaica pela mesma empresa na qual ela trabalha hoje. Sem ter aceitado, passou uma semana na capital, Kingston, para ter uma idéia de como seria a vida lá. Ela voltou desanimada e dizendo que a cidade parecia com São Luís há trinta anos. Ou seja, um lugar péssimo. Maas acabou aceitando a tal proposta. Finalmente vai conquistar a tal sonhada fluência no inglês já que vai morar 1 ano e meio na terra de Bob Marley. Mamãe só vai embora de vez no ano que vem. Enquanto isso, passa umas semanas lá, uns diazinhos aqui. Viaja nesse domingo e só volta dia 9 de novembro. Para começar.

Como se não bastasse todo o meu estresse em relação ao vestibular, vou me mudar sexta ou sábado para o apartamento do meu padrasto (que não está sendo usado porque ele está fazendo doutorado na España). Eu e minha irmã não continuaremos aqui em casa por ser meio perigoso. Ela dirige e mamãe morre de preocupação quando ela chega tarde e tem que ficar abrindo portão, segurando o cachorro. Teremos que resolver tantas coisas em tão pouco tempo! Tenho que arrumar minhas coisas, levar minha estante de livros, saber se lá tem armário para colocar minhas roupas, instalar uma linha de telefone, transferir a internet, ...

Tirando o problema de não poder voltar para casa de ônibus à noite enquanto morar lá, a mudança vai ser tranqüila. É mais perto da minha escola, mais ventilado, meu quarto vai continuar sendo roxo... Só vai ser triste abandonar a minha casinha, onde moro desde que nasci. Acho que até dessa ladeira eu vou sentir falta! Mas, na verdade, vou sentir saudades é de mamãe.

p.s.: A expressão do título eu tirei da camisa que ganhei de lembrança da Jamaica.

3.10.08

Eleições

Nesse domingo, meio mundo vai votar. Eu? Vou ficar só olhando. Vendo as pessoas escolherem as pessoas (erradas) que vão nos "representar" por quatro anos. Fui deixar para tirar meu título no penúltimo dia e não deu certo. Tinha que voltar logo para casa para estudar (!).

Tentei acompanhar a campanha dos candidatos a prefeitos de São Luís. Ao todo são dez, mas só dois têm chance de ganhar. João Castelo (que tem quase 400 anos) foi governador do Maranhão de 1979 a 1982. Durante seu governo, reprimiu violentamente os pobres estudantes que protestavam para conseguir a meia-passagem. No horário eleitoral, ele disse que esse incidente não foi culpa dele, que ele nem estava no Estado. Aham...

Nunca tinha ouvido nada sobre Flávio Dino, que é deputado federal, antes dessas eleições. Castelo sempre liderou as pesquisas de intenção de voto e Dino só foi chegar perto dele depois que Lula apareceu apoiando-o. Na verdade, todos os candidatos tentaram puxar a figura do presidente para perto de si. Até Castelo que é da oposição! Enfim, todo mundo diz que Flávio Dino é muito inteligente, advogado, que vai votar nele. Sinceramente? O discurso dele parecia ensaiandinho até demais no debate que teve na Difusora (SBT). E eu não consigo parar de reparar na papada dele que se mexe para todos os lados quando ele fala!

Não tenho a menor idéia de qual candidato eu escolheria se eu pudesse ir às urnas. Acho que uma múmia que mandou bater nos estudantes é pior que uma papada gigante que (ainda) não teve oportunidade de ser um péssimo prefeito.

27.9.08

Comentário atrasado

(Sobre o livro do post passado porque eu realmente esqueci que as pessoas costumam dar sua opinião).

Apesar da capa constrangedora (seios descobertos de uma mulher - as pessoas poderiam pensar que eu estava lendo algo tipo Bruna Surfistinha), foi um dos melhores livros que eu li esse ano! Maria Valéria Rezende escreve de um jeito tão ... leve! Quando você menos espera, encontra uma rima no meio do texto ou então começa a cantarolar na sua mente as palavras que lê.

Os nomes dos capítulos remetem a cores (cinzento e encarnado/ ocre e ouro / cinzento e todas as cores / azul sem fim) que são citadas no decorrer das páginas. As histórias que Rosálio conta são super elaboradas e criativas! Você se assusta com a quantidade de situações inusitadas que esse homem já viveu e na facilidade que ele tem para criar enredos!

"Não diga tanta besteira, que o amor não é assim, o amor é como menino que não sabe fazer contas nem de perda nem de ganho, vive descautelado, não tem lei, não tem juízo, não se explica nem se entende, é charada e susto, mistério."

Para ler o resumo, saber o nome do livro e ver a capa, é só dar uma olhada no post passado!

26.9.08

O Vôo da Guará Vermelha

Maria Valéria Rezende

Irene saiu de casa ainda moça e, sem ter completado os estudos, passou a ganhar a vida como prostituta. Não se prevenia enquanto trabalhava e acabou engravidando. Uma velha conhecida cuidava de seu filho e, assim que podia, ajudava-os com dinheiro. Quando já não era mais bonita, contraiu AIDS.

Rosálio nasceu num povoado isolado. Seu pai era um forasteiro que não o assumiu e sua mãe se matou antes de lhe dar um nome. Ninguém era alfabetizado onde ele morava, mas sonhava aprender a ler e escrever por ter herdado livros de um viajante.

Já na cidade grande, certa noite, Rosálio foi cliente de Irene por engano. Ele não tinha dinheiro para pagar e só pôde oferecer à mulher as suas palavras, suas histórias. Ela já tinha perdido as esperanças de ser feliz e sentia-se cada vez mais perto da morte. Através de seus contos e causos, o homem enchia de cores a vida dela, que lhe retribuía ensinando-o as letras.

Todos os dias, o ajudante de pedreiro e a mulher da vida se encontravam na casa dela. Ele contava sobre sua vida ou algo que tinham contado a ele. Ela li o livro Mil e uma Noites ou lhe mostrava como escrever o próprio nome.

A partir daqui, contém spoilers. Só pra avisar.

Até que a obra na qual Rosálio trabalhava estava quase terminada e ele seria dispensado do serviço. Decidiu, então, ganhar o sustento fazendo aquilo que mais lhe dava prazer: contar histórias. Irene também foi à praça onde ele exerceria o ofício e presenciou o sucesso do companheiro.

No dia seguinte, enquanto o ex-empregado ia ao sindicato receber seu último salário, a mulher, feliz e distraída, atendia a um cliente. Não reparou nas pistas de comportamento violento que o homem loiro apresentava. Por querer protegê-lo da sua doença e usar preservativo, foi espancada e sangrou em sua cama até perder os sentidos.

Quando chegou, Rosálio encontrou a sua guará vermelha morta. Sabia que deveria continuar o que começara no dia anterior. Não haveria teto que impedisse a sua amada de continuar ouvindo-o.

p.s.: Resumo que a minha professora de redação mandou fazer. Mais uma leitura para a UFSC.

20.9.08

De repente

Lá estava eu assistindo à aula de revisão de química sobre Estequiometria de Reações quando o professor começou a falar sobre a utilidade de se aprender aquilo. Ninguém perguntou. Afinal, estamos acostumados a aprender muitos assuntos que vamos esquecer depois do vestibular. Comecei a pensar que tudo o que a gente estuda nessa matéria tem sim utilidade. Mas para quem vai fazer Química Industrial ou algo assim. É que matriz, por exemplo, é completamente inútil para quem faz Ciências Contábeis. Foi aí que eu lembrei que eu odiava química quando estava no primeiro ano e percebi que eu não odeio mais. Na verdade, eu gosto! Principalmente porque eu faço um curso dessa matéria há um ano (parece que foi ontem que comecei) e já estudei quase tudo lá. Pensando melhor, descobri que eu não quero fazer jornalismo. Sempre tive vontade de fazer algum curso com exatas. Mas não vai ser Engenharia Civil, nem Elétrica, nem Mecânica... mas Engenharia Química!

p.s.: Hoje meu dermatologista-lindo-de-olhos-verdes-e-sotaque-do-rio disse que eu tinha que pegar sol.
p.p.s.: Meu professor-de-inglês-lindo-de-olhos-verdes-e-que-faz-engenharia-elétrica disse que eu não deveria falar sempre de estudo! Meus exemplos sempre têm esse assunto. Vou tentar mudar, juro.
p.p.p.s.: Não vou fazer Engenharia Química! Tenho sim vontade de gostar mesmo de um curso na área de exatas, mas minha paixão é o jornalismo. Queria só ver a reação de vocês, haha!
p.p.p.p.s.: Mas eu realmente percebi que gosto dessa matéria. Principalmente Equilíbrio de reações!

15.9.08

Culpa de Raul Pompéia

A lista das obras literárias para o vestibular da UFSC foi divulgada desde o final do ano passado. Quando disse quais eram os livros para uma amiga, ela me contou que tinha comprado O Ateneu na bienal do ano passado. Fiquei feliz, economizaria o dinheiro de um livro! A edição que ela comprou tem uma capa azul com uma foto de uma floresta coberta de neve (idêntica àquela do primeiro filme das Crônicas de Nárnia) e 72 páginas.

Logo no início percebi que a linguagem não era fácil. Mas, além disso, havia algo estranho. A história não parecia contínua, os parágrafos não se encaixavam. Pensei que o problema era comigo, estava desacostumada a ler livros antigos (esse foi publicado em 1888). Li bem devagar e só fui terminá-lo nas férias de julho. Corri para o Google para ler resumos, ver se eu o entendia melhor. Percebi, então, que muitos fatos não apareceram na edição comprada pela minha amiga. Num site de livraria, descobri que O Ateneu tinha, em média, 190 páginas. E o que eu li não tinha nem metade!

Comprei, então, a edição da Coleção Grandes Leituras (que eu já conhecia de um outro livro) para não correr riscos. Logo que ele chegou aqui em casa, comecei a ler. Não sei se eu me traumatizei, se criei um bloqueio. Só sei que esse ele chegou no meio de julho e eu só o terminei hoje! Não é um livro ruim, mas depois de toda essa novela não tem como amar. É conhecido por Crônica de Saudades, porque a história é narrada pelo personagem principal já adulto que conta sua passagem por um famoso colégio interno quando era mais novo. Não se encaixa em um único movimento literário, tendo características impressionistas, realistas, naturalistas e expressionistas.

Realmente espero que, no futuro, eu resolva reler O Ateneu e goste. Assim como aconteceu com O Morro dos Ventos Uivantes e Helena (sim, a de Machado de Assis).

p.s.: Há uns vinte anos, existia um colégio com esse nome aqui em São Luís. Meu padrasto até deu aula lá!

13.9.08

PASSEEEEEEI!


Alguém se lembra daquele vestibular da UEMA que eu fiz? As provas foram dia 20 de julho e 17 de agosto e o resultado saiu ontem! Na primeira etapa, eu fiquei em primeiro lugar e estudei muito para manter minha colocação. Por poucos pontinhos, eu caí pro segundo lugar. A primeira colocada (ainda mato, haha) ficou com 1.542 e eu com 1.536! Num primeiro momento, eu fiquei desapontada por não ter passado em 1°, maaaas depois que eu soube que minha amiga que ficou em 1° em Ciências Biológicas na primeira etapa não passou na segunda... Na verdade, só eu e mais duas passamos lá da sala (só tem um terceiro na minha escola). Uma para Adminstração e a outra para Enfermagem (no interior).
Antes que vocês me perguntem. Não, eu não quero Pedagogia. Quero jornalismo mesmo. Só escolhi esse curso por causa da segunda etapa que é igual a de Jornalismo na UFMA (português e história). E não, não vou cursar. Não vou tirar a vaga de ninguém, né. Disse isso tudo o dia inteiro.
p.s.: Estou tão gripada que estou rouca desde terça-feira! Hoje na prova passei duas horas tossindo e atrapalhando aqueles que tavam na mesma sala que eu.

10.9.08

1 ano de blog!

Há exatamente 365 dias resolvi criar esse blog. Nem imaginava que o And make me smile seria meu primeiro blog a completar um ano! Pensei durante horas em como seria o meu post de comemoração e decidi escolher os melhores posts entre os 104 que escrevi!

10. Eu, o moço e a luz enet
Todo mundo passar por essas situações inusitadas. Eu, particularmente, adoro passar por elas. Por sem um post light, escolhi para ficar na 1oª colocação!

9. Bel Canto
Vocês sabem que eu amo ler. Então não podia faltar um post sobre livros! Principalmente esse que me marcou bastante. (Falando nisso, outro dia uma amiga minha que também leu disse que viu uma história super parecida com essa naqueles Vídeos Incríveis da Band).

8. Vinícius
Sinceramente, eu gosto de escrever sobre o que eu sei. Situações que vivi, problemas que enfrentei, pessoas que conheci/conheço. E talvez por gostar tanto da pessoa que me inspirou esse post, acabe gostando do que escrevi.

7. Dois olhos verdes
Ah, cara, é sobre minha mãe. Tem como não estar na lista? E eu adorei o trocadilho que fiz com a música do Lenine (Dois olhos pretos). Lembrando que mamãe parece o Lenine (numa versão mais bonita, claro).

6. Queeeeeeah?
Porque essa é uma palavra que sai toda hora da minha boca. Sou desatenta, sim. Esse post mostra como minha mente trabalha loucamente. Tanto que às vezes eu fico cansada só de pensar, sério!

5. Sobre relacionamentos
Escrevi esse post por causa do relacionamento de uma pessoa próxima de mim. Só que esse relacionamento já acabou (graças!).

4. Caro passado,
Nem tem o que comentar! Simplesmente gosto. Porque é um texto sincero, enfim. É parecido com Caro passado II e Recado para o bom menino.

3. Paixonite 'antiga'
Escrevi em abril, mas poderia ter escrito ontem. Ou até mesmo hoje.

2. Depois da aula de geografia
Quanto mais o assunto tem que ver com minha vida, melhor eu escrevo. Eu acho, quero dizer.

1. O Cravo e a Rosa: Parte I, Parte II, Parte IV e Parte IX
Gostei muito de ter escrito a história de amor de mamãe e do meu padrasto. Passei a gostar ainda mais dele!

p.s.: Estou tão gripada que até fiquei sem voz. É tão triste porque hoje, por exemplo, não pude tirar minhas dúvidas no meio da aula de história! Tinha que anotar a pergunta e pedir pra alguém fazê-la porque o professor não escutaria minha voz!
p.p.s.: Me inscrevi na UFSC! (As inscrições começaram ontem)
p.p.p.s.: Sexta-feira sai o resultado daquele vestibular da UEMA! Preparem-se para ver a minha queda do primeiro lugar!

7.9.08

Jogo dos três

1. Quais são as três últimas coisas que você comprou?
O meu almoço de quinta-feira no restaurante em frente à escola.
Amendoim de chocolate no lanche.
Crédito para a carteirinha de ônibus.

Credo, não tenho comprado nada!

2. Quais são as três últimas músicas que você fez download?
Não baixo músicas. Meio que sou contra isso.

Sou careta.

3. Quais são os três últimos lugares que você visitou?
Macapá - AP (dezembro 2007)
Panaquatira - praia daqui da Ilha de São Luís (junho 2007)
Alcântara - MA (abril 2007)

Preciso viajar mais, hein.

4. Quais são seus três filmes preferidos?
Closer.
Grande menina, pequena mulher.
Don Juan DeMarco.

5. Quais as três coisas que você tem que mais gosta?
Minha caixinha porta-óculos com estampa de oncinha.
Meus livros (principalmente Travessuras da Menina Má de Mario Vargas Llosa).
Minha chapinha! (haha)

6. Quais são as três coisas que você não pode viver sem?
Decadron (remédio tipo Sorine).
Meus óculos de grau (sou cega).
Maquiagem.

E a chapinha também...

7. Se você pudesse fazer três desejos, quais seriam?
Que todos meus amigos passassem no vestibular (inclusive eu, né).
Conhecer o Evaristo Costa no futuro.
Que o Maranhão deixasse de ser um dos estados mais pobres do Brasil.

8. Quais são as três coisas que você ainda não fez e quer fazer?
Malhar.
Cortar uma franjinha tipo a da Alinne Moraes (na formatura!).
Ler Clarice Lispector.

9. Quais são os seus três pratos preferidos?
Lasanha.
Petit gâteau.
Bife acebolado ou franjo à milanesa.

10. Quais são as três celebridades com quem você gostaria de andar?
Evaristo Costa (!!!).
Jô Soares.
Isabel Allende (ninguém conhece, mas ela escreveu um dos meus livros preferidos: Retrato em Sépia).

11. Se você pudesse se descrever em três palavras, quais seriam elas?
Vestibulanda, chocolate e sonhadora.

12. Diga três coisas não usuais que você faz bem.
...

As coisas que eu faço bem são usuais, todas relacionadas à escola. Não tenho talento para coisas diferentes. Mas eu leio rápido (quando o livro não é O Ateneu).

13. Diga três coisas que você têm cobiçado.
Uma vaga na UFSC.
Continuar em primeiro lugar nesse vestibular da UEMA (o resultado sai dia 17!)
Fazer o vestibular do ITA (o primeiro dia de prova coincide com o último da UFSC...)

14. Quais são os três blogs que você gostaria de indicar para responder também?
Gabi, Jana e quem mais gostar desses memes.

5.9.08

(Mais) problemas na escola

Não consigo mais olhar na cara do meu professor de redação. É fato. E nem é porque foi ele quem perdeu o boleto de pagamento da minha inscrição do ENEM.

Depois do incidente, continuei prestando atenção na aula dele como antes. Principalmente porque ele também dá aula de português e literatura. Mas ele resolveu passar uma semana com um péssimo humor e tratando mal muitos alunos. E também quis me dar pontos de graça para recompensar as minhas perdas em relação ao ENEM. É que na minha escola uma prova do bimestre vale só 7. Os outros 3 pontos são qualitativos. No geral, os professores fazem o que querem com esses pontos. Esse professor manda quinhentos exercícios e faz cálculos que só ele entende para mascarar os verdadeiros critérios de avaliação (que se baseiam na afinidade que ele tem com o aluno em questão). Sabe, eu não faço todos os exercícios. Nunca fiz. Quando eu ouço a frase "Esse exercício vale ponto" perco na hora a vontade de respondê-lo.

Aí ele resolve dar 3 para mim e para uma amiga sendo que não fazemos os exercícios e que, na maioria das vezes, estudamos outras coisas nos horários dele? Sobre a pontuação da minha amiga eu não posso falar nada. Mas fui até ele e disse que não queria os pontos. Que os critérios dele não eram justos e que se eu não fiz determinada atividade que valia 1 ponto eu não tinha como ganhar 3! Ele respondeu que usou comigo outros critérios, mas ele tem que usar comigo os mesmos que usa com os outros!!!

Sempre achei que o tempo de aula dele não era bem aproveitado e que ele pecava em muitos outros aspectos, mas sempre deu para agüentar. Ainda mais porque ele foi muito amigo da minha irmã quando ela estava na escola. Só que não dá. Não dá. Não dá. Não dá. Sei que não tenho o poder de tirar professor algum. Mas isso não me obriga a ficar nas aulas dele. E nem prestar atenção quando estiver.

Hoje de manhã, no primeiro horário, ele não estava fazendo nada. Nada mesmo. É sério. Mandou um aluno entregar as redações corrigidas e ficou sentado na mesa dele. Sinceramente? Isso é uma falta de respeito aos alunos que estão lá para assistir aula e não ficar de papo pro ar. E depois vem reclamar quando eu saio da sala sem pedir permissão. Como se eu não estivesse procurando desculpa pra ficar longe da aula dele.

4.9.08

No recreio

- Luh, tu te lembra de um dia que Diego Chapolim te perguntou lá no parquinho sobre tuas olheiras?

- Não, como foi?

- Ele perguntou "Por que tuas olheiras são tão grandes? Tu não dorme não, menina?". E tu respondeu "Eu tenho um problema de família, tá?". E ele "O que? Tua família toda não dorme?".

(Risos)

- Pois é, menina, foi muuito engraçado. Mas é que quase ninguém ouve falar de olheiras hereditárias...

- Ah, mas ele era muito burro, Juliana!

- Mas ele tava era zoando com tua cara, louca!

- TAVA?!

Odeio quando isso acontece comigo.

3.9.08

Eritroblastose fetal

"A eritroblastose fetal ou doença hemolítica do recém-nascido ocorre quando uma mãe de Rh negativo que já tenha tido uma criança com Rh+ (ou que tenha tido contato com sangue Rh+) dá à luz uma criança com Rh positivo. Depois desse contato com o sague Rh positivo, o corpo da mãe cria anticorpos contra os antígenos presentes nas hemácias caracterizadas pelo Rh+. Durante a segunda gravidez, esses anticorpos podem atravessar a placenta e provocar a hemólise (rompimento das hemácias) do sangue da segunda criança."

Minha irmã é Rh positivo. Eu sou Rh positivo. Talvez minha mãe seja Rh negativo, não tenho certeza de que ela diz a verdade quando afirma o contrário. Sei que com os avanços da medicina essa doença é facilmente evitada quando é feito o acompanhamento pré-natal. Mas, sabe, é muita coincidência eu ter tido icterícia quando era um bebê e ter anemia até hoje (seqüelas dessa doença).

p.s.: Eu juro que não acho que tenho eritroblastose só porque estou estudando isso em biologia.
p.p.s.: Hoje eu gravei uma entrevista sobre a esperança que nunca morre. Acho que a reportagem só vai aparecer amanhã na segunda edição do jornal local. Socorro.

31.8.08

Merci - Finest Selection

O bom de ter um padrasto fazendo doutorado na España é que ele pode viajar pela Europa e trazer chocolates suíços de presente para mim.

A chegada dele estava marcada para o dia 10 de setembro, mas ele quis fazer uma surpresa para mamãe e chegou aqui ontem. (Mamãe já tinha descoberto que ele chegaria nesse dia, mas o importante é que todo mundo ficou muito feliz).
Até agora eu só tive coragem de comer um (E dei um igual para minha irmã porque não tem esse sabor na caixa dela). Ele tem só uma camada bem fina de chocolate, um recheio de um creme branco que eu não reconheci o sabor. Só sei que ele tinha um gosto de cereja que demorou um pouco para aparecer. Huuuuuuum, como diria a Ana Maria Braga. Não vejo a hora de provar os outros sabores.

28.8.08

Na escola

Ontem tu me disseste que eu sou uma pessoa solitária. Mudei de assunto, naquela hora não soube o que dizer. Mas depois de pensar sobre isso, "descobri" que não sou solitária coisa nenhuma. Na verdade, eu andava tão tensa e mau-humorada que a única pessoa com quem eu aguentei conversar naquele dia foi você. E o pior é que às vezes (não agora) eu me sinto ao menos um pouco importante na sua vida. Talvez a importância que você atribui às pessoas não seja a mesma atribuída por mim.

Enfim, o que eu queria dizer é que eu me sinto solitária agora. Você e minhas amigas me viram saindo, eu sei que viram. Talvez elas tenham pensado que eu saí por raiva e, por isso, não vieram ver se eu estava bem. Mas, por incrível que pareça, esse não é o único sentimento que existe em mim. Eu sou sensível. Também posso ficar triste. E nem sinto vontade de ficar só o tempo todo.

Alguém entrou na sala. Era um cara. Alto. Tive a esperança de que fosse você. Mas não era. Viu? Também posso ser iludida. E nem perco as esperanças de que você entre por essa porta e me dê um abraço e um chocolate.

[...]
Sozinha, na sala, de novo. Imagino se você pensa em mim nesse instante. Ou está completamente absorto na palestra?

p.s.: Desde ontem de manhã, a escola fez propaganda sobre uma palestra que teríamos hoje. Só que ninguém avisou que seria sobre o ENEM. Escrevi isso depois de sair da sala e chorar um bucado.

23.8.08

O que mudou

depois que eu soube que não fui inscrita no ENEM.

Como eu falei no post passado, no dia da descoberta eu saí da escola mais cedo porque não parava de chorar. Fui ao curso de exatas. No meio da aula, eu lembrei de toda a história, chorei de novo e minha irmã foi me buscar (ainda me levou para tomar sorvete!!!). À noite, não consegui pegar em livro algum.

Nos dias seguintes, eu não conseguia me concentrar direito, não estudei como deveria. Na verdade, não produzi (aprendi, no caso) nem metade do que eu produzo normalmente. Não conseguia resolver quase nenhuma questão de física, tive um péssimo desempenho na aula de redação e não tive ânimo (nem lembrei) para participar do trote de ontem. Sem contar que eu não sinto fome há algum tempo (não que eu tenha parado de comer, não sou louca).

Maas estou colocando um ponto final nessa semana apática e, por isso, resolvi mudar o layout do blog. Aquelas cores neutras estavam me deprimindo! Essa vetorização quem fez foi minha irmã (imprimiu numa gráfica e me deu de aniversário!) e nem precisa dizer que eu amei, né? Só não sei se aguento muito tempo olhar meu rosto toda vez que entrar aqui...

20.8.08

ENEM 2008

No semestre passado, a diretoria da minha escola disse que pagaria a inscrição do ENEM dos 11 melhores alunos do terceiro ano. Eu estou entre esses 11, fiz minha inscrição ao lado do professor de português e vi o boleto de pagamento sendo impresso.

Hoje, fomos conferir nossos locais de prova. Coloquei meu nome, o nome da minha mãe, meu estado e minha data de nascimento. Não acharam minha inscrição. Dei o número do meu CPF (que eu tento decorar há séculos) e não acharam nada também. A minha esperança era que eu tivesse errado o número do CPF. Mas não, tava certo.

Conclusões: ou a escola esqueceu de pagar minha inscrição ou esqueceram do meu nome na hora de mandar a lista com o nome dos alunos (acho que é pra confirmar que a gente estuda lá, já que a inscrição pede essa informação). Parece que esqueceram o nome de outro aluno também.

Acho que eu nunca senti tanta raiva na minha vida. Chorei, deixei coordenador falando sozinho, chorei, gritei com a minha voz fina de choro e chorei mais ainda. Depois eu resolvi vir para casa porque eu não ia aguentar ficar lá sem chorar mais.

Por ironia do destino, meus colegas de classe estão assistindo a uma palestra sobre o ENEM nesse exato momento. A minha vontade é de passar em todas as universidades possíveis e não deixar que usem meu mérito para promover a escola. Isso pode ser imaturidade, ressentimento guardado inutilmente, que seja. Eu, que sempre sonhei em ver meu nome no outdoor na escola, faço questão de não ver mais.

19.8.08

Ex-loirinho da USP

Alguém lembra daquele post que eu dediquei a um loirinho que eu conheci no carro do "motorista" que me leva à escola? Hoje (1 mês e 9 dias depois!!!) eu descobri qual era o nome dele. Não era Felipe como eu pensava (esse é o nome de um irmão dele que eu nem conheço, por sinal), mas Nicolas! Sinceramente? Ele tem mais cara de Felipe do que de Nicolas...

Sabe, eu poderia mudar de assunto completamente e dizer que estou tão estressada que não consigo mais sequer olhar na cara das minhas amigas e que todo mundo têm me chamado de doida pelos estudos em excesso, mas é melhor acabar o post.

17.8.08

Perdida

É assim que me sinto depois que fiz o vestibular de hoje à tarde.

Quando eu soube que tinha passado em 1° lugar na Primeira Etapa, a revisão para a segunda já tinha começado em todos os cursinhos. Eu, competitiva toda, não ia abrir mão da minha colocação assim tão fácil. Quase que deixei a escola de lado e estudava história (minha matéria específica junto com língua portuguesa) durante as aulas da escola, nos intervalos, no carro, tomando café da manhã e dormia todo dia com o livro (na maioria das vezes, com a luz ainda ligada).

Hoje de manhã eu tava quase entrando em parafuso. De última hora, resolvi procurar um caderno do ano passado para ler uma anotação. Depois de quase virar meu quarto de cabeça pra baixo, lembrei que tinha perdido o tal caderno na escola.

Como fui na prova? Acho que fui bem. Em história. Minha intuição adivinhou alguns conteúdos que caíram: Balaiada e Roma Antiga. Os outros conteúdos eu acabei de estudar na escola ou revisei ontem. A prova de Português tava bem confusa. Ao menos eu adorei o tema da redação.

E eu juro que esse vai ser o último post falando sobre meu cotidiano.

15.8.08

Deu (quase) tudo errado

Quem tem franja sabe que em determinados dias a dita cuja simplesmente não se deixa arrumar. Hoje foi um desses dias para mim. Quando chegaram aqui para me levar à escola, ela ainda não estava boa, claro. Resolvi ir com a franja do jeito que estava porque já buzinavam aqui na porta há alguns minutinhos...

Assim que cheguei ao portão, percebi que tinha alguém no banco do passageiro. Uma blusa branca, um óculos escuro. Ah, não. Não podia ser. Mas era ele. ELE! O jornalista bonitinho que mora numa rua aqui perto. Logo ele tinha que pegar carona?! Enfim. Me conformei (não deixe meu professor me ver não utilizando a ênclise...) que minha paixonite gravaria a minha imagem como uma garota descabelada e com olheiras. Afinal, eu sempre dou um jeito nas olheiras no caminho da escola (pra economizar o tempo em casa). Ao menos ele desceu do carro antes da metade do caminho. Mas, fora isso, eu já não tinha achado um caderno que precisava levar e percebi que tinha esquecido meu lanche (depois eu descobri que tinha levado sim!).

Na escola, fiquei super tensa porque a segunda etapa do vestibular da UEMA é nesse domingo e as específicas são português e história. Português não me preocupa, mas história... Justamente por ser minha matéria preferida, é a que menos estudo. Se a prova ao menos fosse de biologia ou química! Depois que as aulas acabaram, fui esperar o "motorista". Esperei, esperei, esperei. Fiquei sozinha com o porteiro. Esperei, esperei, esperei. E o celular dele só dava fora de área.

Esperei mais um pouco e a escola foi invadida pela fumaça de uma queimada a poucos metros. Meu nariz ficou péssimo e eu não tinha levado meus descongestionante (cloridrato de feniletrina *-*). Depois de subir a ladeira (odeio) para tomar um remédio que mal funciona, descobri que finalmente tinham ido me buscar! Então eu desci a ladeira, peguei minhas coisas e quando caminhava para o carro (sem óculos de grau e toda descabelada por causa do vento), pisei em falso. Sabe quando o pé tipo dobra? Doeu horrores e eu fui mancando pro carro.

Em casa, engoli o almoço em menos de 10 minutos, me arrumei mais rápido que nunca e fui à aula de redação. Só a minha professora (que tem um nome lindo, Lorelei) pra salvar o meu dia. Foi a primeira vez que ela leu alguma dissertação minha e disse que escrevo bem. A tarde foi super tranqüila. Tirando alguns momentos nos quais me senti a mais burra do mundo por estar no meio de vestibulandos de medicina que fizeram umas 11 questões a mais que eu na prova da UEMA...

13.8.08

Pena de piriguete

Hoje mais cedo, eu e minhas amigas conversávamos sobre a "novata":

- Às vezes eu sinto pena dela...
- Pena?!?!?!
- Luh, tu tem que ver que nossa escola é pequena... Ela é a única menina que a gente conhece que ficou com o namorado de outra na frente de todo mundo. No colégio que ela estudava, tinha um monte de menina igual a ela.

Notas
1- Desde quando piriguetes que ficam com metade dos meninos da sala e dão em cima de professor casado merecem consideração?
2 - Queria ver se a corna mais famosa da escola fosse essa minha amiga que sente pena...

9.8.08

Dia dos pais

Em 1994, papai já não morava aqui em casa. Eu tinha 3 anos. Minha irmã, 5. Foram uns sete anos de casamento. Minha mãe me disse que teve medo de que papai pedisse a guarda da gente.

Tirando minha lembrança inventada (quando eu bati a cabeça na quina de uma escada eu estava numa pizzaria com ele), a mais antiga é a do casamento do meu pai com minha ex-madrasta. Eu e minha irmã fomos daminhas. Lembro também de muito tempo depois disso. Eu e minha irmã na sala, comentei: "Faz um tempão que papai não liga pra gente, né?". Eu não tinha mais que 10 anos.

Durante um certo tempo, tivemos algum relacionamento. Passei uns finais de semana com ele antes e depois dos meus irmãos nascerem (são dois). Só que meu pai e essa minha madrasta se separaram há um ou dois anos. Foi uma separação conturbada. Agora ele mora no interior com uma mulher que é pouco mais velha que minha irmã.

Quando eu quis, ele não esteve próximo. Quando ele resolveu correr atrás do prejuízo, já era tarde demais. Por isso, sou tão ligada na minha mãe. É ela quem conhece meus gostos, que sabe desde o início que eu quero fazer Jornalismo em SC, que me contou que o vestibular já tinha sido marcado, etc, etc. Meu pai nem sabe ainda que eu passei em 1° lugar (na primeira etapa) para Pedagogia na UEMA. E não, eu não quero cursar. Só escolhi esse curso porque as específicas (português e história) são iguais às de jornalismo na UFMA.

Enfim, não é que eu não goste do meu pai. Sinto um carinho por ele, é claro. Afinal, ele é meu pai e temos o mesmo nariz, o mesmo sinal na ponta do nariz e o mesmo formato do rosto. Mas não temos intimidade e muito menos assunto.

- Alô, filha?
- Oi pai.
- Como você ?
- bem e você?
- bem também. Alguma novidade?
- Não, pai. só estudando...
- Mas, então, filha, você tá bem?

Por essas e outras que eu digo, antecipadamente:
Feliz dia dos pais, Mãe.

1.8.08

Retrospectiva: os bolos

Por mais que eu não tenha o hábito de comer bolo em festa de aniversário (sempre devoro os salgadinhos), faço questão de comer no dia que completo mais um ano de vida. Mas eu não aceito qualquer bolo. Tem que ser um de chocolate, com recheio de chocolate, cobertura de chocolate, raspas de chocolate e muita cereja em cima. Por isso, resolvi fazer essa retrospectiva.

2003
Mamãe mandou uma confeiteira, que ela conhece há séculos, fazer o bolo. Depois de cantar o parabéns, parti o bolo e descobri que a massa era de trigo, não de chocolate. (p.s.: Nessa época eu não fazia questão das cerejas e nem das raspas de chocolate)

2004
Pelo que eu lembro, foi a mesma confeiteira que fez. A massa era de chocolate, mas as raspas não vieram e a mulher economizou nas cerejas.

2005
Mamãe encomendou uma torta enorme (sem cerejas, mas com raspas). Ela era tão grande que partiu antes de chegar no lugar da festinha.

2006
Tive uma pequena festa de 15 anos (sem formalidades) e o bolo veio junto com o buffet. Foi o melhor bolo da minha vida. Perfeito, perfeito. Além de muitas raspas, muitas cerejas, veio com morangos em cima.

2007
Encomendamos uma torta de novo. Não tinha raspas, mas muitas cerejas. E era muito gostosa! Nada que se comparasse com o bolo do ano anterior, é claro.

2008
Não encomendamos nada. Ontem minha irmã saiu para comprar um bolo e voltou com um que atendia a todos os meus requisitos. Além de ser bem gostosinho, ainda serviu de lanche para hoje, minha volta às aulas (numa sexta-feira!!!).

O escolhido: melhor bolo de todos os meus aniversários (2006). Dos que eu lembro, né.