17.6.11

Não era o dia

Madame Bovary. Tenho vontade de ler esse livro antes mesmo de odiar o professor de literatura que adorava. Nunca tive a oportunidade e esqueci dele pra sempre até Malu de Bicicleta, história que gira em torno desse livro. Voltou a vontade, mas olha a minha cara de quem ia até a biblioteca pegar esse livro, não estou lendo nem Hemingway.

A minha aula surrupiada de antropologia social fica no centro socioeconômico e a lanchonete de lá é um dos pontos mais movimentados da universidade à noite. Eram umas 20hrs e fui tomar um café com a minha amiga do jornalismo. Chegamos perto da única mesa - de plástico mesmo e vermelha - livre e olhamos um livro. Madame Bovary. Hesitamos, mas sentamos ali. Ninguém apareceu para buscar. Não tinha nome, dedicatória, nada. Era uma daquelas versões clássicas de capa dura verde e fios dourados.

Olha, quem tem a capacidade de esquecer livro em lanchonete da UFSC não tem a menor chance de lembrar onde deixou. Mas aquela edição novinha piscando me deu certeza que fora deixado ali de propósito. Não sei se está cadastrado em um daqueles sites onde as pessoas cadastram livros que "perdem" conscientemente por aí, não sei se o dono queria repassar a leitura de uma maneira diferente. Sentia que o livro me pertencia, mas o pastel gorduroso acabou, minha amiga me repreendeu e, mesmo argumentando que alguém que nem gostasse de literatura poderia roubar o livro, ela não concordou muito que eu pegasse. Ou foi ela que incentivou e meu super ego projetou o sentimento de culpa? A aula recomeçaria em breve, levantamos e fomos. Com as mãos livres. Nos encontraremos de novo, Madame Bovary.

7 comentários:

Jana disse...

AH, eu super teria deixado você pegar!!!!! pegava e colocava um bilhetinho no lugar, com nome e telefone qualquer coisa. só para desencargo de consciência. lindo!!!! triste amiga!!!! :((((

Kah disse...

Não sei se teria pegado, mas se eu fosse sua amiga, certeza que teria te incentivado a levar! haha Você foi muito forte, resistir a um livro esquecido não deve ser fácil.
Beijo, Luh!

Amanda disse...

Eu teria pego linda - se já não conhecesse Madame Bovary, do qual não gosto. Sincerely, acho que é muita conversa pra pouca ação. Mas talvez tenha sido a edição que eu peguei, não sei. Era da mãe da minha amiga, BEEEEEM antiga. Depois vou tentar ler de novo, mas até o momento tá na minha lista de abandonados do Skoob. :/


Beijinhos!

Carlos Massari disse...

você deveria ter pego. mesmo que acabasse não lendo. sei lá, provavelmente ele estava ali pra isso, com essa função. esperando pelo fundo da estante.

Ana Lu disse...

Ixi, eu não sei se teria coragem de pegar! Mas super acho que você deveria ter feito isso, hahaha.

Lara disse...

Nem sei se eu pegaria, porque minha consciência é muito certinha, mas ficaria super tentada a levar o livro para casa.

Vai ver, talvez até fosse o destino conspirando ao seu favor ;)

Isadora disse...

Tem uns livros que fogem da gente... Tem uns livros que sempre aparecem na nossa frente. (E eu nunca leio, nenhum dos dois! ¬¬)