2.10.10

Ping-pong

Escolhi o livro para o meu jornal-mural (trabalho para a disciplina de Edição) ainda no semestre passado. E como Palmério Dória, autor de Honoráveis Bandidos, foi convidado para a Semana do Jornalismo fiquei ainda mais empolgada porque poderia entrevistá-lo pessoalmente. Entrei em contato com Palmério previamente por e-mail e marcamos nossa entrevista para a quinta (16) no caminho para o aeroporto.

Conheci o jornalista e escritor antes da palestra dele começar na quarta à noite. A baby-sitter (chamamos assim quem acompanha os convidados da Semana) nos apresentou e conversamos um pouco. Quase explodi de timidez. A palestra foi boa, mas nem tanto porque ele repete em todo lugar coisas do tipo "todo jornalismo é jornalismo investigativo", as vezes que ele viu Sarney na vida, sobre a candidatura que virou picolé - quando Roseana foi candidata a presidente.

No dia seguinte, acordei cedo e me meti no carro de quem o levaria para o aeroporto. Fomos conversando sobre assuntos banais até que, ops, a entrevista começou sem eu perceber, liguei o gravador e fiz mais umas tantas perguntas. Só não fiquei tão nervosa na hora porque já tinha falado com ele outras vezes e porque ele é simpáticos demais, demais.

Gostei de duas perguntas que fiz a ele. Uma foi ainda na palestra. "Na hora de reclamar do Sarney, você fala  mal de São Luís, do Vale Festejar, do estado inteiro... O que tem de bom no Maranhão?". O auditório inteiro riu porque, por mais que a pergunta nem fosse assinada, não havia dúvidas de quem tinha feito. E obviamente ele falou dos lençóis maranhenses e do povo. E no carro, na minha entrevista, ele falava sobre a velha história de Sarney ter "expulsado" os maranhenses do estado pela vida precária e falta de oportunidade. Rebati: "E eu, sou vítima do Sarney?". Essa resposta você pode escutar:

Isso tudo porque o Palmério me segue e aparentemente leu alguns tweets meus. No livro, ele escreve "O Maranhão se tornou o maior exportador de gente do país. Você encontraria maranhenses nos lugares mais improváveis... até em Florianópolis - que jamais havia visto um maranhense ao vivo, salvo turista". Eu completei: vai dizer que Honoráveis Bandidos não foi escrito pra mim?

Só hoje eu consegui transcrever a entrevista completa. O trabalho é pro começo de novembro, medo!

7 comentários:

Luiza disse...

Que legal, Luh! E adorei que ele canta um trechinho de Luiza na entrevista =P

B. Kiddo disse...

o curso de jornalismo parece ser tãotão legal =D putz, eu tenho tanta indecisão... cm foi que tu soube certinho que queria fazer jornalismo?

B. Kiddo disse...

o curso de jornalismo parece ser tãotão legal =D putz, eu tenho tanta indecisão... cm foi que tu soube certinho que queria fazer jornalismo?

Gabriela Petrucci disse...

Que bacana, Luh! Deve ser muito legal ter esse contato direto com pessoas importantes e mais ainda, conseguir conversar direito com a pessoa. Acho que eu ficaria meio besta.


Beeijo

ps: muito digna a Zooey ali em cima! :D

Ana Lu disse...

Ahh, deve ter sido muito bacana essa experiência Lu!
E que bom que ficou relaxada
=]
Eu também sou muito tímida numa hora dessas, mas depois vou acalmando. Ou não. hahaha.
Beijos!

Jana disse...

Ahhhh, meninaaa! Mandou bem, super parabéns! :)

Mel disse...

Parabéns, Lú!!!!!! Delícia, tudo isso. E eu acho que no Maranhão tem muitas coisas boas, morro de vontade de ir pra São luiz. Esta sua vida de jornalista é só o começo, vejo uma carreira promissora pra ti.
beijos