8.2.11

Não entre em pânico

Aviso que este é um post de utilidade pública. O Submarino, site de compras com a pior entrega desse mundo, ainda está fazendo o favor à humanidade de vender a coleção O mochileiro das galáxias a 29,90. Seja feliz.

Arthur Dent vivia de boa na Terra até que recebeu uma ordem de despejo porque sua casa ficava no caminho de uma estrada a ser construída. Aí chegou o amigo dele e revelou que é um alienígena e que o planeta iria ser destruído em 12 minutos pelos vogons para dar espaço a uma via interespacial. Pois é, foi nessa parte que soltei um dos primeiros risinhos ao longo dos cinco volumes da "trilogia". Esse é só o início da história, mas fica difícil resumir todas as voltas que Douglas Adams deu. É estranho falar que o protagonista viveu muitas aventuras, se meteu em enrascadas e se safou de outras com seu charme de "fiz isso por pura sorte". Até porque não estou falando de sessão da tarde, nem daquela literatura infanto-juvenil de pior qualidade e, na verdade, nem de literatura infanto-juvenil. Essa coleção foi apenas a melhor que eu li até agora, porque Adams é um Escritor. Sabe, de verdade. O jeito que ele escreve é tão fluente que faz parecer que ele escreve daquele jeito o tempo todo. E toda aquela ironia, aquele humor e a genialidade alardeada do cara estão naquelas histórias.

Volume 1, O guia mochileiro das galáxias: Descobri que não só posso gostar de ficção científica como esse aí já se tornou um dos meus favoritos. O universo que o autor cria é tão envolvente que te deixa com vontade de pegar carona na primeira nave espacial que passar. Adams explica como funcionam várias coisas, mas sem aquele didatismo exagerado do filme A origem. E, bem, acho que entendi todos aqueles conceitos físicos que ele inventou também.
Volume 2, O restaurante do fim do universo: Ainda não concordo com um boi que oferece sua carne aos clientes quando ainda está vivo e fica feliz em morrer com esse fim. Pensei, no começo, que esse livro seria repetitivo porque uns dois ou três conceitos que tinha acabado de ler no anterior foram explicados de novo e com o mesmo raciocínio. Isso não aconteceu e o vol 2 acabou sendo uma grande continuação do primeiro, com o mesmo ritmo e tudo.
Volume 3, A vida, o universo e tudo mais: Douglas Adams resolve humilhar quem não consegue pensar nem sobre o que escrever e inventa uma aventura para cada personagem principal, intercalando os capítulos. Esse livro é daqueles pra ser devorado.
Volume 4, Até mais, e obrigado pelos peixes!: Essa frase e os golfinhos me ganham sozinhos, né? Mas esse volume é mais calmo e leve, como um romance deve ser. Não gostei de alguns rumos que a história tomou (tipo com quem nosso protagonista se envolve e o paradeiro de outros personagens), mas ainda assim, indiscutivelmente bom.
Volume 5, Praticamente inofensiva: A ação volta pra história, mas o livro inteiro tem o clima de último capítulo e ele meio que é isso. É sim mais sem graça, mas se a coleção terminasse no pique dos outros, os leitores ficariam com uma sede de galáxia (ou de uma dinamite pangaláctica) terrível e acabaríamos relendo os volumes sem parar.

No fim, ler a coleção do mochileiro serve pra você entender as referências que seus amigos nerds viviam fazendo a Douglas Adams (tinha um que se dizia alguém de muitas qualidades, mesmo que quase todas ruins - como Zaphod é descrito ainda no primeiro volume) e até participar delas (como no dia da toalha, 25 de maio, que causa um certo frisson no twitter).

p.s.: Agora acho que me formar em jornalismo e ser repórter/mochileira do Guia seria uma boa pro futuro.

5 comentários:

Joana disse...

Eu achei o filme tão chato que fiquei com uma má impressão. Acho que não tenho coragem de começar a ler o livro.

Ana Lu disse...

Ei Luísa! Ganhei o primeiro livro de uma amiga minha em junho do ano passado, e coloquei na estante pensando em lê-lo quando não tivesse mais nada pra ler, sabe assim? Não me atraiu muito, mas eu ainda tinha uma vontade de lê-lo porque essa minha amiga tem muito carinho ao escolher livros. ENFIM, esse post me deu vontade de pegá-lo e começá-lo agora, mas ontem comecei Alice no país das maravilhas, que ganhei de amigo secreto virtual! Então, assim que acabar comecarei esse =]
Beijos

Rúvila Magalhães disse...

O meu namorado está lendo O guia do mochileiro das galáxias agora mesmo! Estava pensando em ler assim que ele terminar, acho que vale a pena, né??
Obrigada pelo comentário incentivador lá no blog!

Beijos

Tiêgo R. Alencar disse...

Eu não sou muito fã desse tipo de literatura, mas fiquei interessado pela descrição do livro lá no site! E OBRIGADÍSSIMO pela dica, se for bom mesmo comprarei tudo. hahahaha

Beijo :*

wakko disse...

A série é ótima, Douglas Adams tem um humor único, né? Não me arrependo de ter comprado, séculos atrás, mesmo tendo pago milhões de dólares a mais do que está custando atualmente, no Submarino (que anda aumentando minha falência, ultimamente, diga-se de passagem).
É uma daquelas séries de livros que todos deveriam ler ;)