28.4.11

US$20

Corre do estágio pra ler um texto antes da aula de 18h30. Biblioteca universitária. Barulho razoável, deu pra me concentrar. Chega uma guria de branco na mesa ao lado, só podia ser da área da saúde. Não para de falar. Perco minha concentração. Ganho sono. Cochilo. Vou para um sofá para tentar ler lá. Necas, dormi mais. Saio da biblioteca. Sento num banco mais ou menos tranquilo, passa gente na minha frente o tempo inteiro. Sentado do outro lado do caminho, noutro banco, um senhor que faz um barulho diferente na respiração de quando em quando. Ali perto, uma mesinha de pedra, daquelas com tabuleiro desenhado. A guria sentada nela arruma as coisas, vai embora. Corri pra lá, tão mais tranquilo! Começa a escurecer. Começo a pensar que o chão dali é grama. Todos sabemos como a grama da UFSC não é confiável. O pé começa a coçar. Provavelmente de paranoia, ainda não tinha sido mordida por nenhum bicho. Sou obrigada a ler com as pernas para cima, apoiadas no banquinho ao lado. Completamente desconfortável, pernas formigando periodicamente e, ainda assim, concentrada. Fábula das três raças, racismo no Brasil e nos Estados Unidos. É, estou gostando daquela disciplina de Antropologia Social. Terminei o texto a tempo, só lamentei não ter nem 20 dólares e nem uma árvore mega confortável para dar uma de Rory e conseguir um lugar bom de estudo. Até porque, imagina que alvo fácil para formigas e borrachudos eu seria na grama, embaixo de vários galhos?!

Um comentário:

Lara disse...

Para mim, ir na biblioteca significava dar uns amassos nas cabines de estudo. Claro que não o tempo todo e tal... mas essa coisa de estudar em biblioteca nunca foi minha praia.

Enfim. Sou feliz por ter sido uma nerd atípica :)