1.5.11

Creative commons: não se aplica

Minha cintura não é de domínio público. Poderia postar só essa frase, mas vou explicar.

Sou chata e reclamona. No meio de alguma festa, sempre vivo aquele momento parem de me apertar, preciso de espaço! parem de ficar passeando pela balada! você aí que vem de salto só pra pisar nos pés alheios, te odeio!. Mas quem pagou e está ali pra se divertir, facilmente releva. O que não dá pra aguentar são os caras que acham que vão ficar com você porque enlaçaram sua cintura. Do tipo: UAU, ele me abraçou, nem olhei na cara dele, mas vou pegar! No dia que isso funcionar para você e 1) não for no carnaval 2) a guria não estiver caindo de bêbada, me avisa que vou estudar o caso antropologicamente.

Não sei se estão ensinando esse método para os garotos na escola (vai que eles assistem a alguma aula secreta) ou se é simplesmente um cartaz mentiroso no banheiro masculino aconselhando que isso funciona. Só sei que esse contato físico é dispensável e que não é porque estou dançando e feliz que minha cintura é de domínio público.

3 comentários:

Lara disse...

hahahaha

E quando eles não querem largar a cintura? Você toda puta, querendo sair dali e o mala te prendendo.

Sabe-se lá onde eles aprendem isso. A único certeza é que o professor deve ser um tosco, mal-pegador falido.

Amanda disse...

Essa galera que não se manca é fods. Já passei por uma dessas e você fica realmente de cara. GENTE, QUEM É VOCÊ QUE EU NUNCA VI? E POR QUE TÁ PASSANDO A MÃO DESPREOCUPADAMENTE NA MINHA CINTURA, COMO SE PUDESSE FAZER ISSO?
Tive vontade de falar isso, mas era carnaval e o cara foi embora. Thanks GOD.


Dá vontade de tatuar um Cêzinho de Copyright nas costas - e ainda adicionar um TODOS DIREITOS RESERVADOS. HAHAHA



Beijinhos!

Gab disse...

Ai eu meto a mão. Sério.
É muito desaforo. Já dei tapa na cara de tanta raiva.
Não sou violenta, juro. hahaah
Beijo.