7.5.11

Hey, Dustin Hoffman, are you trying to seduce me?

Tiro duas conclusões toda vez que visito a Saraiva do Iguatemi: sou pobre e burra. Ainda assim, continuo frequentando, não tem lugar mais confortável que uma livraria. É claro que gosto de conhecer livros novos, dar uma olhada naquelas edições estrangeiras, inclusive já percebi que as herdadas da Siciliano são as mais bonitas e interessantes. Mas o que mais gosto de fazer é ali dentro é buscar meus autores favoritos. A Isabel Allende está sempre no mesmo lugar, mas os volumes mudam. Hoje A Casa dos Espíritos estava em destaque como se fosse um lançamento, sendo que é o primeiro livro da autora. No lugar reservado da chilena, Zorro e uma coleção sobrenatural que nunca me interessou muito. García Marquez mudou de casa, mas as Putas Tristes estavam ali, perto de uma capa muito charmosinha de Cem anos de solidão. Não consigo lembrar se já tinha visto algum Prata na casa. Tirando aquele dia do lançamento de Os viúvos, quando ganhei minha dedicatória. Primeiro achei Meio intelectual, meio de esquerda. No susto, encontrei um do Prata pai: Diário de um magro. Aí sim pude conhecer coisas novas e fiquei bem interessada pelo livro 3.096, sobre a austríaca Natascha Kampusch que foi mantida em cativeiro por oito anos. Essa história sempre me abalou demais.

Magia das coisas

Quando quero muito muito uma obra, ela cria uma áurea em torno de si que só Walter Benjamin explica. Então eu fico automaticamente proibida de comprá-la pela internet ou chegar numa livraria poderosa e perguntar se ela está a venda ali. Por isso eu nunca comprei o dvd A primeira noite de um homem. Pode ser besteira, mas faz sentido. Sem contar o frisson positivo de ficar procurando a tal obra alucinadamente e ao não achá-la, pensar que não era o dia em vez de ficar decepcionada. Foi por isso que a Luiza Terpins que perguntou para mim se tinha A primeira noite de um homem na Livraria Cultura "Culturona" de São Paulo. O destino não me deixou trapacear, lá tinha acabado.


Mas a minha maior busca foi com o livro Malu de bicicleta. Eu não queria ler, eu QUERIA ler. Vocês não têm ideia da quantidade de livrarias que eu entrei e procurei o livro. Inclusive em Sampa. Nadinha. Fui obrigada a perguntar aos atendentes na maioria das vezes - disfarçando com "Quais livros do Rubens Paiva vocês têm?" -, mas era impossível. Sempre esgotado. Acabou sendo a primeira e única vez que comprei na Estante Virtual.

Seu lindo, posso te atropelar também?
Adivinhem qual livro achei hoje na Saraiva antes mesmo de encontrar os Prata? Fui atropelada pela Malu, pelo destino, sei lá. Ele estava ali. Tudo bem que o filme passou no cinema outro dia, mas nem entrou no circuito comercial de Floripa, tive que ir ao cinema pseudocult daqui (filme terrível, só vale pelo Marcelo Serrado). E, bem, se eu tinha achado a Malu, por que Mrs. Robinson se esconderia de mim? Corri pros dvds clássicos, nada. Drama/romance: também não. E aí eu achei Kramer vs Kramer. Filme antiguinho que não só tem o Dustin Hoffman e a Meryl Streep no elenco, mas eles são um casal! 17 reais. Um porém... Como eu ia sair dali sem ao menos saber se o Ben tava me olhando de soslaio, ali na esquina da estante?! Ou dentro de seu conversível vermelho, como fez quando E(ca)laine estava voltando para Berkeley?! Perguntei pro vendedor. Torci para que estivesse esgotado, queria manter a magia. Não estava. Não achei na estante, ia desistir, ele veio me ajudar, recorreu à gaveta de estoque. Lá estava ele. Meu dvd de A primeira noite de um homem. Levei os dois. Por essa eu não esperava no final de uma semana tão cansativa.

3 comentários:

Luiza disse...

hahaha sabe que esses dias eu vi o dvd de The Graduate na estante de uma livraria? Lembrei de vc, claro, pq ele estava ali todo bonitinho, exposto aos olhos de quem quisesse ver. Bom, pelo menos agora vc FINALMENTE tem o dvd! - vai ver a magia nesse caso foi a de procurar em vários lugares e não achar haha :D

Lara disse...

Às vezes conmsigo encontrar fácil as coisas que quero. O que não encontro fácil é o dinheiro no bolso, especialmente nas promoções relâmpago que aparecem nas livrarias.

Beijos

Ana Lu disse...

Ei Lu! Adoro quando encontro algo que procuro em vários lugares. O livro que dei de presente pra Tary foi assim. Quando eu encontro fico toda feliz, e aí vivo aqueles momentos de Felicidade Clandestina, bem Clarice Lispector, segurando o livro na mão, com dó de começar a ler.. hahaha.
E esse Marcelo Serrado é um LINDO mesmo, amo, hahaha. Beijos!